O filme brasileiro mais esperado ano, Bingo – O Rei Das Manhãs, veio para conquistar corações dos amantes dos anos 80. Arrisco a dizer que não só de quem viveu naquela época. Chega, ainda, para mostrar, também, os áureos tempos das manhãs infantis nas telinhas brasileiras. E claro, a maior referência do filme, o palhaço Bozo. Não pense que o filme se resume a isto. Ele vai além. E até mesmo quem tem medo de palhaços pode assistir, porque vale a pena.

bingo-o-rei-das-manhas

Vladmir Brichta (em seu melhor papel), dá vida a história de uma ator que resolve tentar ser reconhecido no seu trabalho. Seu grande foco é dar orgulho ao seu filho e a mãe, também atriz. Sabendo do seu potencial de fazer as pessoas rirem, Augusto tenta um espaço na televisão.

Tentar algo maior e um espaço na empresa de televisão dominante na casa dos brasileiros, ser rejeitado por seus maiorais, fazem com que o Augusto procure em outra emissora uma oportunidade para mostrar seu potencial. Um teste para um palhaço de formato pronto da TV americana, é o que ele precisa e confia para dar a volta por cima. Suas espertezas em improvisos fazem com que ele conquiste a oportunidade de ser o apresentador engessado tão famoso nas telinhas de lá.

Augusto sai do roteiro na tentativa fazer aquele sucesso norte-americano ser um sucesso brasileiro. O sair do roteiro vai além das câmeras. A sua vida também sai. Isto torna o filme envolvente. A fama e o reconhecimento levam o personagem principal a perder os trilhos. Aquele ator mascarado que muda a maneira de ver um programa televisivo, se deixa levar por uma vida e autoconfiança que causa outra reviravolta.
bingo-o-rei-das-manhas-2

Um filme quando é bem conduzido nos faz pensar. Seria esta reviravolta na vida do Augusto uma coisa normal da época? Aquele personagem era apenas um muro da sua real personalidade? Seriam os dois parecidos? Ou seria o conflito do personagem ser maior que o ator por trás de um nariz de palhaço? Bem, as respostas destas e outras, e se teve ou não um final feliz, deixarei para que cada um pense a vontade após assistirem o filme.

Um receita boa, sempre infalível, é a vida pessoal de um artista famoso com seus altos e baixos. Isto é perfeitamente tratado em prato cheio. Outros grandes destaques é a direção peculiar e incrível do Daniel Rezende, e a atuação de outra estrela Leandra Leal. O fato de ser uma biografia baseada em história real de Arlindo Barreto (o primeiro ator que viveu Bozo no Brasil) brilha ainda mais aos nossos olhos.

Bingo é um filme redondo. Excelente atuações, excelente história, excelentes atuações (são de aplaudir no fim do filme). É um filme que te deixa nostálgico, curioso, provoca boas risadas e o mais legal: deixa-nos emocionado.

De uma coisa é certa, ao sair dos cinemas após assistir a historia do ator por trás do palhaço Bingo, além da sensação de ter visto um ótimo filme brasileiro, tenho certeza que a curiosidade de ver vídeos antigos do palhaço, rei das manhãs, será inevitável.

Por Flávio Henrique

Bingo: O Rei Das Manhãs, estreia 24 de agosto de 2017 nos principais cinemas.


o-estranho-que-amamos-ameixa-japonesa

A grande estréia nos cinemas nessa semana é, sem dúvidas, o novo trabalho de Sofia Coppola, “O Estranho Que Nós Amamos”. Baseado no livro homônimo de Thomas Cullinan, escrito em 1966, o filme chega às telas de BH premiado com a melhor direção em Cannes 2017. E com um elenco que chama a atenção para si: Nicole Kidman, Kirsten Dunst, Elle Fanning e Colin Farrell.

Os filmes de Sofia Coppola são conhecidos e lembrados por colocarem em todos eles o olhar feminino sobre as situações em, sua maioria, sendo os papeis femininos os responsáveis por nos guiarem pela narrativa. Em “ O Estranho Que Nós Amamos” não é diferente. A diretora inverte a narrativa do livro e da primeira versão para o cinema de 1971 que é feita pelo soldado abatido e coloca as mulheres como narradoras da história. Mais uma vez é o olhar feminino de Sofia e de suas personagens os responsáveis pelas sensações passadas.

A história se passa em durante a Guerra Civil americana e vemos o dia a dia pra lá de bucólico e rotineiro de uma “escola para meninas”, situada no sul do país, ser gradativamente alterado com a chegada do estranho e instigante soldado ferido, que defendia os interesses do norte do país. A guerra serve de pano de fundo para a formação de uma atormentada bola de neve de tensão sexual entre essas mulheres e o soldado.

o-estranho-que-amamos-ameixa-japonesa-01

Impressões de Pierre Menezes sobre o filme…

Para quem está acostumado com o ritmo mais acelerado e uma extensa paleta de cores presentes nos outros filmes de Sofia Coppola, chega a ficar incomodado com a direção tomada nesse novo projeto. Tudo em “O Estranho Que Nós Amamos” é mais lento, demorado, contido. O recurso de pouca luz do casarão dita o clima que a diretora quer expressar. Com isso a fotografia do filme é espetacular e merece todos os elogios já recebidos.

Porém o roteiro (estou até agora pensando se gostei realmente do filme ou apenas em parte) demora a acontecer. O clímax do filme ocorre apenas nos últimos 20 minutos, o que leva ao incomodo mais pela demora dos acontecimentos do que pela adrenalina psicológica sexual que o filme pretende passar.

Essa tensão está lá o tempo todo. Seja pelo comportamento alterado dessas mulheres, pelas reais intenções do homem que aos poucos vai mudando a rotina pudica tanto das mulheres mais velhas, quanto das internas mais novas. Mas a curiosidade pelo que vai acontecer aos poucos vai sumindo devido a essa demora aos acontecimentos. Há uma repetição de situações desnecessária.

A direção precisa e ao mesmo tempo delicada de Sofia Coppola e as interpretações na dose certa de contenção e explosão do quarteto principal fazem de “O Estranho Que Nós Amamos” uma boa experiência de reflexão sobre os desejos repreendidos e as consequências das não realizações dos mesmos.

o-estranho-que-amamos-ameixa-japonesa-02

Flávio Henrique também conta suas impressões…

Escuro e lento é o que define o filme. Uma história tão interessante deveria ser retratada da mesma forma. Todo o alvoroço de um homem chegando numa casa com sete mulheres, eu esperava mais afrontas diretas entre elas. Por estar em uma crescente, as mudanças nas relações foram apresentadas sutilmente. Se apresentadas ao contrário, estas mudanças (com tretas mais evidentes e dramáticas) deixaria o filme mais empolgante no seu percurso.

No ápice do filme não ficaram claras as intenções das mulheres para com o hóspede na reviravolta final. Vingança, ou necessidade nestas intenções, para mim, ficaram escuras e indiretas como boa parte do filme. Fez-me avaliar o filme apenas como um filme mediano.

Confira o trailer!


Um dos lugares que o Ameixa mais gosta para comer, beber e curtir a vista é o restaurante Topo do Mundojá falamos dele aqui, lembra?

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-01

A gente foi no dia do lançamento da ótima cerveja artesanal 040 e ela caiu super bem para terminar a tarde. Aprovadíssima!

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-04

Deliciosas brusquetas e quadradinhos de queijos foram nossas escolhas para a tarde de sábado.

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-02

Gente, e nessa época do ano, o que parece impossível, acontece: o pôr do sol visto de lá consegue ficar ainda mais lindo! As pessoas param para ver as mudanças das cores do céu e não tem como ficar indiferente mesmo a tanta beleza.

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-07

Outra dica para quem curte o Inverno e todas as delícias dele, como comer fondue! O Topo do Mundo é um lugar perfeito para a combinação frio + fondue e as opções de fondues do cardápio são deliciosas.

 

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-08

 

Fondue de carnes ao vinho. Maravilhoso!

 

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-09

 

Batata, pãozinho e couve-flor para fondue ao queijo e frutas + marshmallow para fondue de chocolate

 

 

 

 

RESTAURANTE-TOPO-DO-MUNDO-OSVALDO-CASTRO-AMEIXA-JAPONESA-10

 Aconchego para curtir com amigos ou com namoradx. :)

 

Topo do Mundo

Estrada da Serra, s/n – Serra da Moeda
Piedade do Paraopeba – Brumadinho/MG (como chegar)

Quarta a sábado – 12h (meio dia) à 01h
Domingos: 12h (meio dia) às 19h

Informações: (31) 3575-5545 / 8771-288

 

FOTOS: OSVALDO CASTRO


Vans X Peanuts01

Com uma parceria que começou no início dos anos 1980, a Vans apresenta sua terceira coleção Vans x Peanuts, disponível pela primeira vez no Brasil a partir de 26 de Junho.

Os personagens da consagrada turma criada por Charles M. Schulz se transformam em tênis, roupas e acessórios com ilustrações vintage do final dos anos 1960 e das décadas de 1970 e 1980. Os designers da Vans transportaram os elementos Off The Wall para icônicos momentos dos Peanuts – que seguem fiéis à estética e design consagrados da Vans.

A coleção Vans x Peanuts apresenta seis gráficos principais distribuídos em uma ampla seleção de produtos das linhas Vans Classics, Surf e Apparel.
O protagonista dos Peanuts, Charlie Brown, abre essa coleção com a raglan e a pocket tee, onde ele troca a bola de futebol americano por um skate, com um par de Old Skool nos pés.

A clássica camiseta do Minduim se transformou em um Old Skool com a nossa icônica Sidestripe adaptada aos moldes da famosa estampa rabiscada, construído em canvas amarelo e suede preto e completo com “Good Grief” (“Que puxa”) bordado na língua.

O adorável Snoopy pode ser encontrado andando de skate em uma versão do Authentic e da mochila Old Skool II, também dormindo sobre uma Sidestripe feita de ossos em um SK8-Hi Reissue, e se escondendo atrás das franjas vermelhas que recriam sua casinha em um Sk8-Hi Moc.
Snoopy, Woodstock e Lucy podem ser encontrados em versões do Slip-On, Authentic e também em peças de vestuário e acessórios.

Os pequenos também tem sua vez na coleção Vans x Peanuts com versões infantis das estampas e motivos encontrados nas coleções de tênis em tamanhos para adultos.

Vans X Peanuts02

Vans X Peanuts03

Vans X Peanuts04

A coleção Vans x Peanuts está disponível em revendedores autorizados e em vans.com.br/peanuts a partir de 26 de Junho.


As mineiras Srta Rita, Um Vestido e Sérgio Salomão apresentam suas coleções 2017 no Lançamento 3 marcas. Independentes e artesanais, eles produzem em pequena escala roupas femininas, masculinas, acessórios e calçados para atender a um público que busca formas criativas de consumo. O resultado são produtos mais sustentáveis, menos descartáveis e com preço justo!


Sérgio Salomão
A Marca Surgiu em 2014 e, desde então, vem absorvendo influências do teatro, das artes visuais e de outras formas de expressão para criar suas peças de roupa. Essa junção de diversos meios é a principal motivação do artista, que dá seu nome à marca. Para essa coleção serão feitos diversos produtos, entre eles: acessórios e roupas abrangendo o público masculino e feminino.

sergio-salomao-moda-bh-ameixa-japonesa

Quer conhecer mais? Visite: www.facebook.com/espacosergiosalomao

Um Vestido
Apresenta em cada coleção, um modelo de vestido com variação de cores, tecidos e estampas se preocupando com os detalhes e significados de cada parte de seu processo criativo/produtivo. Desde a criação de um modelo bonito e confortável de vestimenta, da costura artesanal de cada peça, do aproveitamento dos tecidos para criação de novos produtos até o atendimento e entrega ao cliente. A 4ª coleção vem com desejo de influenciar cada vez mais a utilização da roupa não só como vestimenta, mas como uma forma de demonstração de beleza e atitude pessoais.

umvestido-moda-bh-ameixa-japonesaMais sobre esse projeto que acho incrível: www.instagram.com/um_vestido

Srta Rita
Recém-chegada trás em seus calçados e acessórios produzidos artesanalmente, a liberdade de transitar por diferentes lugares. A diversidade de materiais e cores são definidas pensando em cada detalhe estético e do conforto dos pés.

senhorita-rita-moda-bh-ameixa-japonesa

Saiba mais sobre a Srta Rita: www.srtarita.com.br

Serviço:

O que? 3 Marcas – Lançamento das Coleções 2017

Quando? Dia 9 de Junho, às 19h

Onde? Avenida Cristóvão Colombo, 550, sobreloja 18 – Savassi