2662458”Um bom vinho é poesia engarrafada”. Robert Louis Steven

Olá pessoal! Estamos de volta para falar desta bebida fabulosa. Hoje é nosso segundo bate-papo sobre vinhos.

Semana passada mostramos o significado de cada item no rótulo da garrafa. Hoje vamos decifrá-la por inteiro, posso garantir que com as informações abaixo a compra do vinho ficará mais divertida.

Citamos também os tipos de vinhos: tinto, rosado, branco, espumante, seco ou doce, vocês se recordam?

Agora, decifrando toda a garrafa:

- Origem: indica estilo, tipicidade e qualidade.

- Produtor: revela como a parreira foi cuidada.

- Uvas: remetem ao frescor, leveza ou opulência do vinho. A uva com a qual o vinho foi feito mostra parte de suas características.

- Vinificação: mostra o processo de elaboração, se o vinho passou por tanque de inox ou estagiou em barril de carvalho e por quanto tempo.

- Idade: relativa ao ano de produção (safra). Informa se o vinho está no momento certo de ser bebido;

- Preço: a intensidade ou sensação do prazer que o vinho proporciona corresponde ao seu preço. Falaremos desse assunto com mais detalhes num próximo post para que possamos explicar melhor essa questão do preço.

 vinhos“Todo grande vinho é caro, mas nem todo vinho caro é grande!” João Filipe Clemente

Pois bem, ao contrário do que parece, há vinhos bons e baratos. E esse, será quase sempre, o nosso objetivo: dar dicas de bons vinhos e com um custo acessível.

Queridos leitores, é chegado um momento de grande importância! Portanto, leiam com atenção esta parte se desejarem aprender a comprar vinhos.

Para escolhermos um vinho, devemos responder algumas pergunta. Tomem nota:

- O vinho que estou comprando é para uso pessoal ou presentear?

- Consumo imediato ou para guardar?

- É uma ocasião especial ou sem compromisso?

Conforme as respostas, a escolha fica entre as procedências e os tipos de vinho. Simples, não? Você fará uma excelente escolha, observando apenas a uva, o tipo do vinho e o preço.

E por falar em uvas, eu observei muitas pessoas chegarem a um estabelecimento e perguntarem: tem o vinho Merlot? Tempranillo?Cabernet?

Amigos Enófilos, (posso chamá-los assim?) nem sempre esses são os nomes dos respectivos vinhos, e sim, da variedade das uvas.

Como dissemos acima, a uva já mostra boa parte das características do vinho e nós vamos conhecer cada uma delas. Tenho certeza que vocês já irão descobrir qual a sua uva favorita.

O nosso objetivo é falar o básico, afinal, não sou uma especialista. Portanto, não citarei todas as variedades de uvas, mantendo o nosso foco nas mais conhecidas.

Tintas

Cabernet Sauvignon: propicia bons vinhos para o envelhecimento. São ricos em cor, aroma e profundidade.

Merlot: normalmente é misturada a cabernet sauvignon para suavizar suas características.

Pinot Noir: dá origem a vinhos de médio corpo, cor pouco intensa, mas fino e de paladar fresco. É bem sedutor!

Carménère: costuma ser a tinta preferida das mulheres pela sua baixa acidez e pela leve doçura natural. Os vinhos da uva Carménère possuem ótimo equilíbrio na boca.

Syrah ou Shiraz: vinhos encorpados, estruturados e tânicos, consegue produzir vinhos mais simples, de fácil consumo, deliciosamente frutados;

Grenache ou garnacha: produz vinhos fortes e frutados, mas com pouca cor e pouco tanino. É ótima para rosados ou vinhos doces fortificados.

Tempranillo: Proporciona vinhos de acidez e tanino baixos, porém aromáticos.

Malbec: apresenta uma bela cor vermelho-púrpura intensa e aroma frutado, revelando um vinho novo. No paladar, apresenta-se saboroso e suave, indicando que os açúcares escondem bem os taninos.

 

Brancas

Chardonay: vinhos leves a encorpados, de frutados a amadeirados.

Sauvignon Blanc: produz vinhos frutados com muito frescor e vivacidade.

Prosecco: dá origem a espumantes refrescantes, delicados e simples, como também a vinhos tranquilos.

Chenin Blanc: grande acidez, proporciona vinhos do extremamente seco ao delicadamente doce.

Agora, conhecendo a característica de cada uma, você já pode descobrir a sua favorita. Qual o seu paladar? Encorpado, ácido, tanino, frutado? Pense e vá degustando!

Eu, particularmente, gosto de todos. Acho que tudo tem sua ocasião, mas tenho preferência pelos encorpados.

Deixarei um dever de casa para o nosso próximo encontro, ou melhor, para os comentários: quero saber qual a sua uva favorita.

Nesse último fim de semana, optei pela uva Cabernet Sauvignon, o nome do vinho é Misterio, de origem Argentina, da região de Mendoza e que muito me agradou.

vinho

Ah! Como prometido, deixarei sempre uma receitinha para harmonizar com o vinho. Hoje será do meu aperitivo favorito. É fácil, saboroso, todo mundo gosta, e vocês podem até fazer um festival entre os amigos ou com sua família mesmo.

Apresento-lhes a famosa Brusqueta! As duas receitas que irei ensinar combinam muito bem com o vinho que mencionei acima.

brusquetas

Brusqueta de queijo Brie e geleia de amora (combina com vinho tinto jovem a maduro encorpado – Merlot, Carmenere e Pinot Noir)

Ingredientes:

- 01 pote de geleia de amora (gosto da geleia Chamberry)

- 01 Pão italiano fatiado

- 200 g de queijo brie

- azeite

- manjericão para decorar

Modo de preparo:

Coloque as fatias de pão italiano em um refratário e polvilhe cada fatia com azeite. Em seguida, coloque geleia de amora em todas as fatias e cubra-as com fatias de queijo brie. Leve ao forno, pré-aquecido, por 10 minutos. Retire do forno e decore com as folhinhas de manjericão. Agora é só provar!

Brusqueta de queijo gorgonzola e creamcheese (combina com vinho tinto maduro robusto - Cabernet Sauvignon, Malbec e Shiraz)

Ingredientes:

- 200 g de queijo gorgonzola

- 01 pote de cream cheese (150g);

- alecrim a gosto

- 01 pão italiano fatiado

- azeite

Modo de preparo:

Coloque as fatias de pão italiano em um refratário, polvilhe cada fatia com azeite. Em uma vasilha, amasse o queijo gorgonzola e misture o cream cheese. Em seguida, coloque a mistura em cada fatia de pão e leve ao forno, pré-aquecido, por 10 minutos. Retire do forno e salpique alecrim por cima para decorar. Pode colocar fatias de presunto cru por cima, mas só a mistura dos queijos já proporciona uma brusqueta especial.

Agora é só abrir o vinho e se deliciar! Queijos e vinhos são combinações perfeitas!

Caso você ainda ache que não conseguirá escolher um vinho sozinho, não se preocupe. Nas casas de vinhos, restaurantes e alguns supermercados há sempre um profissional pronto para lhe ajudar.

Então, a gente se despede por aqui. Semana que vem, falaremos dos segredos da conservação do seu vinho, dos espumantes, champanhes e afins!

Espero que tenham gostado! Salut!

Ana Flávia é Relações Públicas, curte moda e cinema, tem um relacionamento sério com o Vinho e um pezinho no marketing e outro na cozinha.

 

Deixar uma Resposta