Nos últimos tempos o mundo tem vivido uma relação muito próxima com a comida. A crescente exibição de programas sobre culinária e a grande procura por cursos de gastronomia, tem levado várias pessoas a se tornarem chefes, escreverem sobre o assunto, lançarem livros, criarem blogs etc. Tudo isso é muito válido, porém no meio dessa grande manifestação em torno da arte de cozinhar, tem surgido também um movimento de desenvolver realmente o gosto por preparar sua própria comida.

É importante perceber a sutil diferença entre fazer um risoto para os amigos uma vez por mês e realmente desenvolver um gosto por cozinhar. Todos nós temos algum tipo de referência ligada à cozinha, à comida, seja a lasanha que avó italiana preparava aos domingos ou o frango com quiabo que comemos na casa das nossas mães.

Essa relação é muito forte e nos liga às lembranças de uma infância feliz ou a momentos de intenso prazer em família. O jornalista e professor, Michael Pollan, aborda no seu documentário Cooked, que depois da terceirização da comida e da industrialização estamos perdendo essas referências. O escritor chama a atenção para o fato das pessoas se afastaram de alguns hábitos alimentares, como comer carne por exemplo, simplesmente porque elas estão ingerindo apenas produtos processados. Não podemos dizer que estamos comendo carne de verdade se comemos nuggets, certo?

No Brasil, tenho acompanhado esse movimento na busca da alimentação mais saudável. A apresentadora do programa Cozinha Prática do canal GNT, Rita Lobo, é uma das que mais me chama atenção. Ela realmente ensina as pessoas a cozinharem, a preparar um alimento saudável. Quem já assistiu o programa dela sobre preparar arroz soltinho? Sempre acho graça quando ela fala “desgourmetiza, bem!”. Além do programa, recentemente o site Panelinha, do qual a apresentadora faz parte, lançou um blog para tratar de comida saudável. No texto de abertura já traz a mensagem: comer saudável não é apenas comer frango grelhado com batata doce! Entende a diferença?

Nos últimos tempos tenho adorado ir para cozinha e preparar pratos típicos da culinária mineira como um frango com quiabo, arroz, feijão e angú, seguindo a receita maravilhosa da minha mãe ou um tutu de feijão com macarronada….é gordo né? Sim, mas é tão gostoso!

Percebo esse movimento em torno de fazer a própria comida como uma tendência mundial. O homem está retornando alguns hábitos antigos porque nessa loucura do mundo moderno nós perdemos várias referências que eram positivas. Então, isso vem de encontro a mudanças que já estão acontecendo como largar o carro e andar de bicicleta, ter um consumo mais consciente, parar de ingerir só alimentos industrializados.

Então, porque não tentar? Ao invés de almoçar aos domingos num self-service porque não fazer sua própria lasanha à bolonhesa? E que tal experimentar fazer aquele frango assado maravilhoso da sua mãe? Afinal, a cozinha não é um monstro e não precisamos preparar apenas pratos mega elaborados, nem ter equipamentos de última geração, nem comprar aquele ingrediente exótico que só tem no supermercado mais caro da cidade. Cozinhar é terapia, é amor, faz parte da nossa vida.

 

 

Saiba mais e assista:

www.panelinha.com.br - site da Rita Lobo

Cozinha Prática - Rita Lobo (canal GNT)

Cooked – documentário de Michael Pollan baseado no livro “Cozinhar, uma história natural da transformação”. (disponível no Netflix)

Cozinheiros em Ação - Reality do GNT com cozinheiros
Por Fran Dornelas

Deixar uma Resposta