curta-circuito

 

A Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito abre a programação de 2017 com várias novidades! Estreando a nova curadoria do Clássicos BR, assinada pela crítica Andrea Ormond, o Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente traz para a temporada 2017, com o tema País Tropical, clássicos da pornochanchada, gênero cinematográfico rejeitado pela crítica especializada, mas bastante popular entre o público nas décadas de 1970 e início de 1980. Durante o ano, a Mostra irá homenagear três grandes representantes desse fértil período do cinema nacional, em cada um dos três bimestres da programação. Ao final de cada bimestre, será oferecida ainda uma MasterClass gratuita, ministrada pelo próprio homenageado. O primeiro escolhido, para as sessões dos meses de março e abril, é o ator, diretor, produtor e documentarista Carlo Mossy, conhecido como o Rei da Pornochanchada.

O Ridículo, curta- metragem inédito dirigido por Mossy, inicia a programação 2017, na sessão de abertura que conta ainda com a exibição do longa Giselle (1980), dirigido por Victor di Mello e protagonizado e produzido por Mossy. Sucesso na época de seu lançamento, levando mais de dois milhões de espectadores aos cinemas, Giselle, tem também no elenco a atriz Monique Lafond, que participará de um bate-papo com o público após a exibição dos filmes. A sessão acontece no dia 20 de março, segunda-feira, a partir das 20h, no Cine Humberto Mauro, em Belo Horizonte.  A entrada é gratuita mediante a retirada de ingresso 30 minutos antes da sessão.

O Ridículo l Carlo Mossy, RJ, 2016, 9′

Homem sessentão tem problemas com sua disfunção erétil, e se martiriza por isso, encontrando numa garota de programa, talvez, a solução.

Giselle |Victor di Mello, RJ, 1980, 96’

Giselle, filha adolescente de um fazendeiro rico, possui um comportamento liberal e promíscuo, tendo casos com a madrasta Haydée, com a amiga Susana e com Ângelo, capataz da fazenda de seu pai. Um triângulo amoroso surge com a chegada de Serginho, filho de Haydée, ao mesmo tempo em que são revelados segredos de cada membro da família.

Pelo interior

Em 2017, a Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito volta a ter sessões no interior do estado. No dia 24 de março é a vez da cidade de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, receber a primeira sessão do Curta Circuito 2017, especial Carlo Mossy.  Às 19h, no Centro Cultural Luz da Lua – Rua Dom Serafim, n° 426, Centro. Já no dia 25, a Mostra vai para Montes Claros, com sessão também às 19h, no Cinema Comentado – Centro Cultural – Praça Dr. Chaves, 32 – Centro.

Sobre Carlo Mossy

Filho de imigrantes judeus poloneses, Carlo Mossy nasceu em Tel Aviv e veio para o Brasil com apenas dois anos de idade. Atualmente com 70, ele já produziu, dirigiu e atuou em dezenas de filmes, em  50 anos de carreira completados em 2016. De acordo com a curadora do Curta Circuito, Andrea Ormond, “ele merece mais do que ninguém o título de “Rei do Cinema Popular; tem 50 anos de trajetória e ainda é capaz de se mostrar incômodo e inovador, sempre dialogando com o grande público nos diversos gêneros por onde transita sem dificuldades”. Mossy continua na ativa e se reinventado. Lançou no ano passado o documentário “Garota de Ipanema – O Bar da Bossa”, e ainda faz aparições, como as recentes em Malhação e no seriado da HBO, Magnífica 70.

O Especial Carlo Mossy traz quatro longas-metragens e quatro curtas-metragens inéditos que são um resumo da trajetória do artista, além da MasterClass – O Rei do Cinema Popular, que será ministrada por ele no dia 25 de abril, oportunidade única de conhecer os bastidores de suas produções. As inscrições para a MasterClass poderão ser feitas a partir de 20 de março no site oficial da mostra.

Até o fim do ano, outros dois  importantes nomes do cinema brasileiro também serão homenageados pelo Curta Circuito: o diretor e roteirista  Alfredo Sternheim (maio/junho) e o cineasta Afrânio Vital (julho/agosto) .

 

Sobre o Curta Circuito

Durante sua trajetória, iniciada em 2001, a Mostra de Cinema Permanente, que exibe exclusivamente filmes nacionais, sempre com entrada franca, conseguiu reunir um público de mais de 70 mil pessoas, que estiveram presentes em quase cinco mil sessões. A mostra, dirigida desde 2016 por Daniela Fernandes, da Le Petit Comunicação Visual e Editorial, é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos. Tendo já atuado em 18 cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pará, a mostra atualmente está presente em Belo Horizonte, onde tem como “sede” de suas exibições o Cine Humberto Mauro, e comemora a volta para os município mineiros de Montes Claros e Araçuaí. Já passaram pelo projeto convidados como Nelson Pereira dos Santos, Zé do Caixão, Sidney Magal, Othon Bastos, Antônio Pitanga, Nelson Xavier, Darlene Glória entre outros. O Curta Circuito atua também na preservação e memória do cinema brasileiro, trabalhando na restauração de filmes, em parceria com a Cinemateca do MAM-RJ. A iniciativa recebeu Mention do D’Hounner em Milão, em 2013, pela restauração do filme “Tostão, a fera de Ouro”, da década de 1970.

 CurtaCircuito_03_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

CurtaCircuito_04_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

 

CurtaCircuito_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

 

Equipe Curta Circuito em clima tropical – Em pé: Claudio Constantino (Produtor Executivo), Vitor Testa (TAGTST – Vinheta), Alex Queiroz(Editor), Vinicius Correia (Produtor)/ Sentados: Wander Faria (Valwander Fotografias – Registro Fotográfico), Naraiana Peret (Designer), Daniela Fernandes(Diretora) e Rafaella Queiroz (Libretto – Mimos do presskit)

Deixar uma Resposta