o-castelo-de-vidro-ameixa-japonesa2

O filme é baseado na história de vida de Jeannette Walls, jornalista norte-americana, retratada no livro homônimo e campeão de vendas pelo mundo. A história da família Walls é grandiosamente representada por um elenco campeão de premiações como Brie Larson, Woddy Harrelson, Naomi Watts e outros.

Um drama da vida real mostra a conturbada família Walls. Família pobre, com muitos filhos, muitos sonhos e uma realidade aventureira. Esta aventura se dá pela falta de dinheiro e pelo objetivo de que no final a família terá um castelo de vidro, idealizado por todos. Por consequência, a família tinha que se mudar e adaptar aos novos lares, novos povos e realidades duras para os adultos e divertidas para a crianças.

A dificuldade de instalar num lugar, leva a família a passar ensinamentos de experiência de vida aos filhos. As cenas bem dirigidas com o patriarca ensinando os porquês das coisas, dando aos filhos um mundo de sonhos e conhecimentos é de engolir seco. Faz com eles se sintam normais e mais unidos. Entretanto, na medida que os filhos vão crescendo e vendo que aquela vida não é a dita como normal, tem reflexo nos seus objetivo e nas situações adultas. Mesmo com momentos lindos de ensinamentos, a forma controversa de educar, de modo até violento, muda o destino da família.

A vértebra do filme é a saída do castelo de vidro dos papéis para a realidade. A família acreditar que este objetivo é o que os manterão unidos, pode não ser suficiente. Mesmo que o seja, não é fácil aceitá-la quando a Jeannete tem que conviver fora daquela realidade e esconder suas raízes. Estas relações familiares devem ser conferidas nas telonas.

O castelo como símbolo de união serve para mostrar para o espectador que toda família tem sua casa de vidro. Ela pode ser opaca, cristalina, suja, e as vezes nem existir. Mas estas paredes, este castelo, mostram que por mais diferente é a sua família, sempre pertencemos a ela. Pode tentar fugir, mentir, porém não adiantará.

É isto que torna o filme lindo. Firme. Chocante e emocionante. Daqueles que você sai do cinema envergonhado de tanto chorar. E o melhor, com a sensação que mesmo tendo uma família diferente, e de difícil convivência, ela é sua. Tem seu lado bom. Nunca deve ser esquecido. Você é uma das paredes de um castelo de vidro. Sem você ela não se torna um castelo.

Não deixem de se emocionar com o filme O castelo de Vidro, nos principais cinemas de sua cidade, a partir de HOJE, 24 de agosto!

Deixar uma Resposta