Cinema: Malévola


maleficent531dfbf0eaacd_src

12abr2014---walt-disney-pictures-divulga-novas-imagens-do-longa-metragem-malevola-com-angelina-jolie-1397397364888_956x500

Não precisava nem assistir por completo para saber que o filme “Malévola”, o longa da Disney, iria enfeitiçar o público. Primeiro porque no papel de atriz principal podemos nos encantar pela beleza estonteante de Angelina Jolie, que segura a imagem caricata da personagem sem ficar forçada. E, depois, pela quantidade de lançamentos de moda e beleza a que “Malévola” emprestou o seu nome, como M.A.C, Ellus, Marisa…

De fato, o longa, embora seja da Disney, não carrega a pegada de conto de fadas e aquele final que já sabemos. Aurora, conhecida também como “Bela Adormecida” (no filme, interpretada com dose extra de doçura por Elle Fanning) não é a história que você irá assistir no cinema. O filme é muito mais que isso e conta a verdadeira (acredite se quiser) história da protagonista, revelando os fatos que endureceram seu coração.

Maleficent-(2014)-89

12abr2014---walt-disney-pictures-divulga-novas-imagens-do-longa-metragem-malevola-com-angelina-jolie-1397397369733_956x500

Vale ressaltar também a trilha sonora – em especial a final – com a bela canção “Once Upon A Dream” do clássico de 1959. A nova versão é cantada por ninguém menos que Lana Del Rey (veja abaixo).  Bom filme!

Cinema: Anos Incríveis


tele-gaucho

Estava ansioso para ir ao cinema quando assisti ao trailer do filme francês “Anos Incríveis” (2012) que continua como pré-estreia em Belo Horizonte. A pressa me fez concluir que o filme tratava de uma televisão clandestina formada por reacionários franceses de esquerda. Achei e interessante e resolvi ir ver.

Depois de alguns minutos de filme, vi que não estava errado, porém, percebi que havia apenas identificado o pano de fundo do longa. Na verdade, o filme é uma comédia que mostra a busca de Vitor (Félix Maoati) por seu sonho de se tornar um diretor de cinema..

Ao sair do filme me senti leve e nostálgico. A primeira sensação se deve ao fato de ter dado algumas sinceras gargalhadas durante a exibição. A segunda foi porque lembrei daquela fase no início da juventude em que os sonhos e ideais parecem tão fáceis de alcançar que a palavra obstáculo começa a não fazer sentido.

tele-gaucho_447565_21267

Em “Anos incríveis”, durante 112 minutos, o amor e crença do personagem principal são o gás do roteiro que somado as cenas hilárias – com destaque para a atriz Sara Forestier – fazem dessa comédia um bom programa para este sábado à noite – até que ele estreie definitivamente por aqui.

Apaixonado pela profissão que escolheu, Vinícius Lacerda é jornalista e acredita que literatura e cinema são, além de entretenimento, uma prazeroso meio de autoconhecimento.

Para assistir: Os sabores do palácio


Tournage Les Saveurs du Palais

Uma chef de cozinha francesa é convidada para liderar a cozinha privativa do presidente da França. É por meio dessa premissa que a história de Hortense Laborie (Catherine Frot) é contada no filme “Os sabores do palácio” (França, 2012), de Christian Vicent. Porém, o filme vai além da história inusitada e da alta culinária.

A narrativa alterna-se em dois momentos distintos da vida da personagem. Ora nos deparamos com as desventuras da chef na cozinha do palácio, ora com seus últimos dias como chef da cozinha de uma base no arquipélago de Crozet, na Antártida.

Os dois ambientes são dominados pela presença masculina, porém o que tem em comum é também aquilo que mais os diferencia. Em um desses ambientes, Hortense luta contra o machismo; enquanto no outro, recebe carinho de todos.

Independente do ambiente, a chef mostra-se uma mulher firme, objetiva e capaz de se defender. E mesmo taciturna em vários momentos, revela-se uma pessoa simpática com todos que estão a sua volta. Em meio a tudo isso, belos pratos são mostrados a todo momento, por isso, não assista com fome!

Dica:  Esse é um filme que ficou pouco tempo em cartaz, por isso se tiver ficado interessado você pode baixá-lo neste blog.

lessaveurs04

les-saveurs-du-palais

Apaixonado pela profissão que escolheu, Vinícius Lacerda é jornalista e acredita que literatura e cinema são, além de entretenimento, uma prazeroso meio de autoconhecimento.

Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte


festcurtas

Começa hoje a 15ª edição do Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte! Até o dia 29 de setembro, serão exibidas 130 produções – 52 curtas nacionais e 78 internacionais –, no Cine Humberto Mauro e na Sala Juvenal Dias, em sessões gratuitas, além de mostras especiais concebidas por curadores convidados. A diversidade de perfis e de repertórios dos filmes selecionados pode ser percebida pelas grades competitivas: a brasileira contará com 24 curtas, a Internacional com 26 produções, enquanto a Competitiva Minas terá disputa entre 12 títulos. O melhor filme da cada uma destas categorias receberá prêmio em dinheiro, cujo valor será definido pela organização do Festival.

Serviço
15º Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte – FestCurtasBH
Data: 20 a 29 de setembro
Local: Cine Humberto Mauro e Sala Juvenal Dias
Entrada gratuita
Informações: (31) 3236-7400 – festcurtasbh.com.br

Para assistir: Orange is the new black


orange-pilotNão faz muito tempo que conversei com um amigo sobre como as fases da vida podem facilmente ser medidas pelas temporadas de séries. Veja Friends, por exemplo, foram 10 temporadas, ou seja, 10 anos. Lembro que na quarta eu fiz intercâmbio; que na sexta eu formava na faculdade e por aí vai. Ao mesmo tempo ficou claro que estávamos ficando mais velhos sob a luz do televisor ou da tela do computador. E mais velho geralmente significa mais exigente.

Por isso que nos últimos anos diminuí drasticamente o número de seriados que assisto. Mantenho os antigos que talvez hoje não começaria – como Grey’s Anotomy – e raramente começo um novo. Mas recentemente fiquei surpreso ao devorar a primeira temporada de Orange Is The New Black em três dias. Produzida pela Netflix, a trama começa com a história de Piper (Taylor Schilling) uma ex-lésbica(?) que se entregou por um crime e ficará presa durante 15 meses em uma instituição federal. Ela está noiva de Larry (Jason Biggs) que dá grande suporte para ela para enfrentar esta fase. A partir daí, a prisão e as diversas detentas – e suas respectivas histórias – entram em cena.

Cada um dos personagens surge no seriado ligado a um ou mais assuntos polêmicos. Tem a ex-viciada em drogas lésbica com problemas de relacionamento com a mãe, a russa chefe de cozinha superprotetora, o chefe de polícia que persegue gays e teve um casamento encomendado… Cada uma dessas histórias é mostrada aos poucos, em cortes bem feitos, que contribuem para plantar aquela sementinha de curiosidade desde o primeiro episódio.

oinb-alex

orange-pornstache

orange-transexual

Ao contrário da maioria dos seriados norte-americanos, notei uma preocupação por parte dos diretores em apresentar todas as facetas da personalidade dos personagens. Por exemplo, não significa que por ser bom, o noivo é ingênuo nem que só atitudes nobres partem da “protagonista indefesa”. Assim, os personagens são apresentados mostrando o quão vulnerável é a forma que nos portamos ou as decisões que tomamos frente forças exteriores como traição ou ameaça de morte. No mais, recomendo fortemente que o seriado seja visto. Não acho que seja o melhor dos últimos tempos, mas é sim um daqueles que quebra a barreira de exigência que os anos vão erguendo.

Ah, já ia me esquecendo de um detalhe importante: a música de entrada é “You´ve got time” da Regina Spektor.

Apaixonado pela profissão que escolheu, Vinícius Lacerda é jornalista e acredita que literatura e cinema são, além de entretenimento, uma prazeroso meio de autoconhecimento.

Posts anteriores »