Inspirado pelo Caminho de Santiago de Compostela, na Europa, o instituto Estrada Real desenvolveu um passaporte e um certificado para quem percorre por seus caminhos. Com 1600 km de extensão, passando por 199 municípios, é a maior rota turística do Brasil. São 300 anos de história que passam por São Paulo, Rio de Janeiro e – a maior parte – por Minas Gerais (169 cidades!).

O Passaporte Estrada Real é bem parecido com o passaporte brasileiro mesmo. Para adquiri-lo, basta fazer o cadastro online, imprimir o formulário preenchido (validade de 60 dias) e levá-lo com um quilo de alimento não perecível ou uma peça de roupa para serem doados para uma instituição de caridade. Os pontos de retirada, por enquanto, estão disponíveis em Ouro Preto e Diamantina. Importante lembrar que o passaporte e o formulário são individuais.

passaporteER

Um único passaporte pode ser usado para percorrer os Caminhos Velho, Novo, dos Diamantes e Sabarabuçu. Em cada cidade, o viajante vai receber um carimbo com um desenho de um cenário que a representa (são vários pontos de carimbo em cada local, mas só será aceito um carimbo por cidade). Clique aqui para conferir os endereços.

DSC_6883 cópia

Para Conseguir o certificado de cada caminho, é preciso passar pelo menos em:

- 14 carimbos do Caminho Velho (de Ouro Preto – Paraty ou Paraty – Ouro Preto num total de 710 km divididos em 27 trechos) ou

 - 10 carimbos do Caminho dos Diamantes (de Ouro Preto – Diamantina ou Diamantina – Ouro Preto num total de 395 km divididos em 18 trechos) ou

 - 08 carimbos do Caminho Novo (de Ouro Preto – Porto Estrela ou Porto Estrela – Ouro Preto num total de 515 km divididos em 18 trechos) ou

 - 04 carimbos do Caminho do Sabarabuçu (de Cocais – Glaura ou Glaura – Cocais num total de 160 km divididos em 6 trechos).

Certificado

Os caminhos, criados no século XVIII, quando a Coroa Portuguesa determinou que o ouro e os diamantes só deixassem Minas Gerais por trilhas outorgadas por eles, podem ser feitos de carro, a pé, de bicicleta ou a cavalo.

SERVIÇO:

Pontos de retirada de Passaporte e Certificado:

Diamantina
Pousada do Garimpo – Avenida da Saudade, 265. Tel.: (38) 3532-1040
Receptivo Minas Gerais – Rua da Quintanda, 22 – 1º andar (segunda a sexta, de 8h às 12h, e 14h às 17h). Tel.: (38) 3531-1667 / (38) 8802-5078

Ouro Preto
Centro Cultural da Fiemg – Praça Tiradentes, 04 – Centro (todos os dias de 9h às 19h). Tel.: (31) 3551-3637

O site do Instituto é repleto de informações sobre cada cidade e opções para hospedagem. Clique aqui para conferir.

Mariana Viotti é jornalista, apaixonada e viciada em viajar, e blogueira no  Passaporte Pronto.



Avorganic Magic Oil

Meu cabelo é super fino e seco, o que faz dele muito sensível à temperatura do secador e ao tempo.  Há um mês estou usando um óleo capilar da NPPE, o Avorganic Magic Oil, estou adorando. Uma das vantagens é perceber que além de ser um ótimo finalizador e anti-frizz (frizz é um dos meus maiores pesadelos), o cabelo está sendo tratado: os fios estão mais hidratados e com brilho.

A embalagem é um mimo, vem numa caixinha em formato de madeira e seu design tem estilo “perfume francês”. Apesar de pequeno (o vidrinho é de 50ml), em um mês percebi que o óleo vai durar um tempão porque ele é concentrado e uma gotinha é o suficiente. Então vale o investimento! ; )

Quem quiser comprar online, achei aqui aqui.

 

Mais sobre o Avorganic Magic Oil 

Formulado com ativos de óleo de abacate orgânico (certificado pela Ecocert) e fluídos de silicone, o Avorganic Magic Oil proporciona aos cabelos hidratação, brilho, maleabilidade e maciez. Possui ação anti-frizz, facilita a secagem e a escovação e sua ação termoprotetora protege contra os raios solares UV, outras agressões climáticas e do calor do secador e chapinha, evitando que os fios fiquem secos, quebradiços ou com pontas duplas.


Gente, se tem uma coisa que é fácil de fazer e que é super recebido em diversas ocasiões, é o couscous marroquino. Ele é um preparado de sêmolas de cereais e teve sua origem no Magrebe, região norte da África.

O coucous é um prato camaleão, ou seja, você pode fazê-lo de diversas formas. O que mais faço é o de legumes, que substituem muito bem o arroz nosso de cada dia, e também, a parte de saladas.

10675756_743207395734051_7223282571781972670_n

Ingredientes
2 xícaras de couscous
A mesa quantidade de água quente
2 abobrinhas
2 cenouras
1 beringela
3 tomates sem sementes
150 gramas de nozes trituradas grosseiramente
suco de um limão siciliano ou outro da sua escolha
1 molho de hortelã
Sal a gosto
1 colher sopa de azeite

Modo de Preparo
- Hidratar o couscous: Coloque o coucous em uma tigela grande e despeje a mesma quantidade de água quente. Adicione a colher de azeite, misture um pouco. Tampe e reserve.
- Cozinhe os legumes respeitando o tempo de cocção de cada um deles.
- Corte os legumes e os tomates (sem sementes) em quadrados bem pequenos, o que chamamos de corte brunoise (cerca de 1 a 2mm de lado). Se quiser pode deixá-los um pouco maiores. Vai do gosto de cada um. Reserve
- Pique as folhas de hortelã. A quantidade vai do gosto de cada um. Eu gosto com muita hortelã, rs
- Triture as nozes. Como é bem grosseiramente faça com as mãos.
- Com um garfo solte o coucous que ficou hidratando.
- Misture os legumes e os tomates ao couscous. Adicione as nozes e o suco do limão (se quiser pode colocar um pouco mais). Misture.
- Junte ao couscous as folhas de hortelã picadas e o sal. Misture. prove e acerte o tempero caso necessário.
- Deixe um pouco na geladeira. Ele fica melhor geladinho e incorpora melhor os sabores.

 

Pierre Menezes é chef de cozinha, jornalista e todas as terças está no Ameixa falando de Gastronomia. Quer acompanhar todas as dicas do Pierre? Acesse a fanpage dele!