Para celebrar o 60º aniversário da cidade de Florença, como capital da moda italiana, a marca italiana Emilio Pucci (em parceria com a cidade de Florença, o Ministério de Desenvolvimento Econômico e o ITA – Italian Trade Agency) criou a instalação de arte Monumental Pucci, um projeto que será realizado durante a Pitti Imagine Uomo e faz parte do calendário de comemorações da Firenze Hometown of Fashion.

Monumental Pucci é uma instalação no Batistério da Piazza San Giovanni, que foi coberto por uma tela de 2.000 m² com a estampa Battistero, criada pelo Marquês Emilio Pucci em 1957 e retrata a vista aérea da Piazza San Giovanni, com as cores fortes do Mediterrâneo: verde limão, laranja, fuscia e pink. O lenço original está exposto na abside do Batistério e representa o forte laço que a Maison italiana tem com Florença, uma vez que é a cidade natal do criador da marca.

 

226369_413710_monumental_pucci_3

226369_413711_monumental_pucci_4

226369_413714_monumental_pucci_7

As imagens do Batistério by Pucci poderão ser vistas em todas as redes sociais da Emilio Pucci e também pelo #MonumentalPucci.


Shoreline Beach Cafe (1)

 

Shoreline Beach Cafe

Santa Barbara, CA

www.shorelinebeachcafe.com

 

Delicioso restaurante em Santa Barbara, na beira da praia, onde voce pode comer com os pés na areia. A especialidade da casa é o Baja Fish Taco (taco de peixe), prato muito popular na Califórnia. Experimente também os Hambúrgueres, Grilled Ahi Tuna (tipo de atum também conhecido como yellowfin), Shrimp Taco (taco de camarão) e o Mojito.

Shoreline Beach Cafe - Baja Fish Taco (2)Baja Fish Taco

Shoreline Beach Cafe - Grilled Ahi Tuna (1) Grilled Ahi Tuna

Shoreline Beach Cafe - Shrimp Tacos Shrimp Tacos

Shoreline Beach Cafe (2) (1)

Ambiente: Informal

Bom Para: Brunch / Almoço

Faixa de Preço: $$

Aceita Cartão: Sim

Aceita Reservas: Não

WiFi: Não

 

Alice Coutinho é Diretora da Beth Coutinho Viagens e todas as sextas está no Ameixa com dicas de restaurantes bacanas pelo mundo  www.instagram.com/bcmundoafora

SAM_3957

Mendoza é um dos 24 estados federais que integram à República Argentina, e seu território está dividido em 18 departamentos. A capital da província é a Cidade de Mendoza, localizada ao oeste da República Argentina, ocupando uma superfície de 150.839 quilômetros quadrados. Mendoza é um território composto por montanhas e vales, situado no meio da Cordilheira dos Andes. Possui clima seco e 1.200 vinícolas.

Ao escolher esse destino para viajar, deve-se pensar em duas coisas: vinho e neve. Com o título de Terra do Sol e do bom vinho, a região é o centro viticultor mais importante da América do Sul, produzindo anualmente cerca de 10 milhões de hectolitros de vinho. Suas lindas bodegas recebem visitantes para degustações nas instalações do Valle Central (composto pelos municípios de Godoy Cruz, Guaymallén, Maipú e Luján de Cuyo). O clima seco da região e seu solo de excelente qualidade fazem a produção de uvas como Malbec, Cabernet Sauvignon, Tempranillo e Chardonnay – tão apreciadas no mundo inteiro.

Em Mendoza é possível fazer visita guiada aos vinhedos, percorrendo os chamados “Caminhos do Vinho”. Os visitantes irão se deparar com bodegas tradicionais e centenárias, algumas ainda artesanais, e outras mais tecnológicas. A região é responsável pela produção de 70% dos vinhos e das vinícolas argentinas. Com os “Caminhos do Vinho”, Mendoza chama o turista para aprender a diferença entre os tipos de uva e saber diferenciar um sabor do outro. É lá que se percebem os diferentes aromas dos vinhos e se acompanha toda a sua produção.

Segundo alguns especialistas em vinho, não é preciso conhecer todas as bodegas: três, no mínimo, e cinco, no máximo. Há vários programas que incluem até oito visitas a bodegas. Há diferença entre elas, mas não muito relevantes. Variam basicamente no modelo de produção, artesanal ou com avançadas tecnologias. O processo é sempre o mesmo: a colheita, a separação, a retirada do suco, o amadurecimento, o envelhecimento e o engarrafamento.

Mendoza possui também histórias de seus vinhos, vale a pena conferir o museu do vinho “San Felipe”. Segundo o site mendoza. travel, as visitas são gratuitas desde que não haja degustação. Não tem como falar de Mendoza e não citar um dos seus maiores símbolos – o Cerro Aconcágua, com os seus imponentes 6.962 metros de altura.

COMO CHEGAR:

Sem voos diretos do Brasil, é preciso fazer conexões em Buenos Aires ou Santiago para chegar a Mendoza de avião. O Aeroporto Internacional Francisco Gabrielli – El Plumerillo fica perto do Centro, a cerca de 10 quilômetros. As estradas são boas e uma bela pedida é fazer o percurso a partir da capital argentina de carro, pela Ruta 7, num trajeto de 1.049 quilômetros. O caminho mais bonito, porém, é a partir de Santiago, no Chile, cruzando a Cordilheira dos Andes. São 360 quilômetros, feitos em uma média de seis horas.
O que está esperando? Programe já sua viagem para Mendoza! Enquanto espera por Mendoza, deguste seus divinos sabores!

ams_arg_mendonza_220

Como íamos conversar sobre Mendoza, a Casa Rio Verde enviou alguma dicas de vinhos de Mendoza. Confiram:

Renacer Punto Final Malbec (etiqueta negra) - ótimo custo benefício – R$44,90, considerado Best Buy pela Wine Spirits – vinícola Renascer foi certificada com o selo Carbon Neutral, pela preocupação com o meio ambiente.

renacer

FINCA EL Origen Malbec ReservaR$44,87 – médio corpo, acidez equilibrada, para ser harmonizado com carnes vermelha

malbec

Finca El Origen Gran Reserva Cabernet Sauvignonpode ser comprado até sábado, dia 05/10, com 30% de desconto na promoção Vinhos da Semana (ou seja de R$109,90 ele sai a R$76,93, mas só até sábado); um cabernet com tudo que tem direito, muito corpo, pelo menos 18 meses em madeira em barril de carvalho francês, marcante, persistente, mas muito elegante.

finca

Valle Las acecquias Malbec OAK 2007 – este Malbec recebeu 91 pontos do crítico Robert Parker – Preço R$61,90

valle

Por hoje é só, pessoal! Au revoir! Salut!

Ana Salles é Relações Públicas, curte moda e cinema, tem um relacionamento sério com o Vinho e um pezinho no marketing e outro na cozinha.


ellen02

Muitas das coleções apresentadas nesses últimos meses tem a jornada ou viagem (journey) como inspiração. Os bordados chineses e russos, os objetos, o diário de viagem, as sensações dos lugares, as proporções, as cores.Tudo que representa seu ponto de vista daquele lugar ou daquela experiência única de fazer tal trajeto. Gosto muito quando a moda sinaliza as experiências pessoais como referências. Faz tudo ficar original, único.

Toda vez que conheço um lugar novo que me emociona fico inspirada por algum tempo por este lugar.O Japão por exemplo é minha inspiração favorita.Viajei algumas vezes pra lá e toda vez que volto tenho a sensação de estar totalmente influenciada pelo que vi e pelo que senti.A mistura dessas referências sempre foi meu assunto preferido na criação.Acredito que todas as pessoas que trabalham com imagens tem que viajar muito e tem que ter sede por viagens.Isso faz tudo ficar mais rico.Desde o “look do dia”, até a decoração da sua casa, passando pela maneira de se pentear ou colorir desenhos, tudo passa pela experiência de viagens.

Como já disse Wally Salomão, a memória é uma ilha de edição (adoro esta frase). E viajar é fabricar memória. Aproveite este momento da moda pra usar aquele vestido mexicano, a saia peruana, seus colares indianos passando pelo minimalismo japonês e a beleza dos bordados mineiros. Faça sua edição com suas memórias de viagens. Está na moda!!!

ellen

 

Por Ellen MiletSou mineira. Muito mineira, nasci numa cidade do Sul de Minas chamada Boa Esperança. Moro no Rio há quase 20 anos. Tenho 2 filhos, Maria, 10 anos e João, 3. Trabalho como figurinista desde que cheguei aqui. Faço figurinos para TV, cinema, publicidade e teatro. Adoro viajar, conhecer pessoas, trabalhar, pegar meus filhos na escola, assistir shows, fazer massagens, mudar meus móveis de lugar…
 Pinterest/ellenmilet, Instagram/ellenmilet

maua

Pra quem procura um fim de semana paradisíaco com cachoeiras, caminhadas, comida caseira e uma sensação de relaxamento profundo precisa conhecer Visconde de Mauá.

Conheci Mauá através de uma grande amiga que tem casa lá desde criança.Fui meio desacreditada, a viagem era muito longa e cansativa (a estrada de Penedo até Mauá era de terra) mais minha amiga insistiu.Foi maravilhoso, nunca relaxei tanto. A cidade tinha um  clima bem anos 70 com temperatura gostosa durante o dia e fria de noite, pessoas extremamente gentis e felizes.Desde esse meu primeiro encontro com a cidade, voltei algumas vezes.Fiquei em vários lugares, passei um ano novo, muitos feriados e fins de semanas. Com criança  e sem criança. Com cachorro, com marido e sem cachorro, sem marido, com amigos.

 Meu filho de 3 anos não conhecia Mauá. Desde que ele nasceu nunca mais tinha voltado. A vida ficou mais corrida. Queria voltar e ficar num lugar que nunca tivesse ficado antes mas com boas recomendações. Escolhi ficar numa pousada alguns quilômetros do asfalto e valeu a pena.

 Nesta pousada comemos muito bem (todas as refeições estavam incluídas no pacote) uma comida caseira muito delicada e saborosa. Fiquei bem perto das cachoeiras mais visitadas de Mauá mas o “quintal” da pousada é algo cinematográfico. Bosques, cantos com mata verde, muitas borboletas várias quedas d’água com um acesso muito fácil. Espreguiçadeiras espalhadas em pontos estratégicos da mata e quando você achava que já estava bom o suficiente pra se jogar, um cantinho com uma banheira de hidromassagem e água bem quente, com vista para uma cachoeira linda!!! Água gelada, água quentinha, celular sem sinal, telefone só pra pedir uma bebidinha.A locação perfeita pra descansar, viver, sentir, andar, ser feliz.Mauá vale a pena.Que seja por uma única vez, em um camping (tem vários incríveis), numa pousadinha simples ou super sofisticada, Mauá tem pra todos os gostos e bolsos. O importante é curtir, relaxar e se banhar nas águas doces e geladas dos rios e cachoeiras de lá. Além do mais, podemos estar no Rio de Janeiro e Minas Gerais quase ao mesmo tempo…

 Pra conhecer em Mauá:

-Camping na entrada de Santa Clara

- Bistrô das Meninas (Maringá Minas)- café/bistrô/livraria

-Cachoeira de Santa Clara

-Restaurante Babel (Vale do Pavão) – comida sofisticada e lugar lindo

-Panela Véia (Maringá Rio) comida caseira muito barata e gostosa

-Pousada Casa Bonita (Maromba) pousada que me hospedei

-Cachoeira do Escorrega

-Poção

-Massagem relaxante no “Portal” (sala de massagem feita por uma terapeuta no meio da mata, longe mas vale conhecer)

 

 Por Ellen Milet

Sou mineira. Muito mineira, nasci numa cidade do Sul de Minas chamada Boa Esperança. Moro no Rio há quase 20 anos. Tenho 2 filhos, Maria, 10 anos e João, 3. Trabalho como figurinista desde que cheguei aqui. Faço figurinos para TV, cinema, publicidade e teatro. Adoro viajar, conhecer pessoas, trabalhar, pegar meus filhos na escola, assistir shows, fazer massagens, mudar meus móveis de lugar…

 Pinterest/ellenmilet, Instagram/ellenmilet