ensaio-carnaval-bhO pré-carnaval de bh está cada dia melhor. Fiquem ligados nos ensaios dos blocos de rua e eventos deste fim de semana de 26 a 28 de janeiro. Agenda Ensaios e Eventos dos Blocos de Rua de Bh.

 

26/01

18h – Bloco Baião de Rua – Brasil 41 – Av Brasil, 41, Santa Efigênia

18h – Bloco Garotas Solteiras – Centro de referência da juventude

19h – Bloco da Roda de Timbau – Bar Latino – Av. Tereza Cristina, 537, Prado

19:30 – Tamborins Tantãs – Praça da Estação

20h – Bloco Pega Que Sara – Viaduto Santa Tereza

20h – Ensaio Bateria Bloco Por Acaso – Carlos Prates – R. Porto Alegre 500

23h – Unidos da Estrela da Morte – Studio Bar (Rua Guajajaras, 842 – Centro)

23h – Tira o Queijo – Praça da Estação

20h – Bloco da Língua – Feira de Tradições Mineiras – Av. Abílio Machado, 3081 – Alípio de Melo

 

27/01

10h – Bloco Trema na Linguiça – Rua Benvinda Carvalho (em frente ao Mackenzie Esporte Clube)

10h – Bloco É o Amô – Bar do Latino – Av Tereza Cristina 537, Prado

10h – Bloco Lavô, Tá Novo! – Praça Comendador Negrão de Lima – Floresta

11h – Bloco de Belô – A Fábrica – Av .Tereza Cristina, 295

12h – Praia (Fora) da Estação – Praça da Liberdade.

15h – Alô Abacaxi – Praça da Estação

15:30 – Com Sagrados e Sexta Ninguém Sabe – Avenida Petrolina( Entre Conselheiro Lafaiete e Gararu) – Sagrada Família

16h – XAIXAI com o Bloco da BARTUCADA – Concentração: Av. Afonso Pena (em frente ao Parque

16h – Bloco da Língua – Bar da Stefany – Rua Ibituruna, 142 – São Salvador

28/01

10h – Garota eu vou pro Califórnia + Chega o Rei + Nega Biruta – Praça Chuí – Alto dos Pinheiros

10:30 – Bloco Vou ali e volto – Praça Capela Nova – Minas Brasil

14h – Brócolis – Praça Paulo VI

15h – Bloco DreadLocko – Bitaca do Zé – Rua Passo Fundo, 95 – Novo Glória

15h – Bloco Funk You – Praça Salgado Filho

15h – Bloco Afro Fala Tambor – Praça Floriano Peixoto – Santa Efigênia

16h – Bloco da Língua – Espeteria Dú Paizão – Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes,1745

16:20 – Bloco Fúnebre – Praça da Bandeira

 

Eventos 27/01

 

14h – Baianas Ozadas – Villa Albertini – R. Cristal, 137 – Santa Tereza

 

Eventos 28/01

 

13h – Bloco de Belô – BH Othon Palace Hotel – Entrada R$ 15,00 com nome na lista

13h – CORTEJO CARNAVAL DAS MINA – concentração no CRJ

15h – Quando Come Se Lambuza – Quadra de Escola de Samba Cidade Jardim – Belo Horizonte, MG


thepost

Indicado essa semana aos Oscar de Melhor Filme e Melhor Atriz, The Post – A Guerra Secreta, o novo filme de Steven Spielberg estréia hoje nos cinemas de BH com Tom Hanks e Meryl Streep encabeçando uma discussão mais contemporânea impossível, a relação entre Estado e Imprensa.

No final dos anos 60, o jornal The Washington Post se vê em seu momento de transição mais delicado: deixar de ser uma mera instituição familiar –  comandado por Kat Grahan (Meryl Streep), uma mulher respeitada por toda sociedade da capital americana, mas sem nenhuma voz ativa no comando do jornal – e se tornar um dos gigantes da imprensa americana abrindo o seu capital.

O que caminhava para uma decisão extremamente fácil e necessária para a sobrevivência do jornal em torno dos interesses dos grandes investidores (mercado, Estado, etc) , torna-se uma guerra interna quando vem à tona um dossiê contendo documentos secretos do Pentágono onde se comprovava a deficiência dos EUA na Guerra do Vietnã. Nesse ponto crucial, Spielberg apresenta a mensagem que se deseja passar: não é de hoje que a liberdade de imprensa vê-se ameaçada.

The Post  - A Guerra Secreta é mais um caso clássico do jornalismo mundial, pondo de um lado, a imprensa com Ben Bradlee (Tom Hanks), o editor-chefe do The Washington Post que defende o autonomia da redação em publicar o escândalo americano que ficou conhecido como “Pentagon Papers” e Estado, aqui na figura de Kat Grahan, atormentada pelas figuras poderosas da política americana, mas ao mesmo tempo incomodada com a irrelevância e o descrédito dada a ela por ser mulher e por isso ser incapaz de conduzir uma instituição. Se antes The Post era uma discussão entre imprensa e Estado, ela ganha mais um arco: o protagonismo social feminino.

A estrutura narrativa de The Post – A Guerra Secreta lembra em muito outro filme recente, Spotilight, talvez muito devido a presença em ambos de Josh Singer assinando o roteiro junto com Liz Hannah. Um elenco de peso se revezando em momentos de protagonismo para se contar uma história baseada em fatos reais tendo a instituição jornalística como fio condutor. Porém, as duas obras logo se se distinguem rapidamente, uma vez que The Post se concentra mais nos bastidores de como uma noticia pode ou não vir a ser publicada.

Não tem como um filme de Spielberg com Streep e Hanks de dar errado. Falar dessas duas atuações é “chover no molhado”. Cada um desempenha de maneira segura e absoluta os seus papeis. Tom Hanks acerta no tom com Bem Bradlee, uma figura importantíssima na história do jornalismo recente e Meryl Streep é a voz certa para aflorar em Kat Grahan a referencia da mulher que assume o papel que lhe é de direito.

Mais uma vez Spielberg consegue contar sua história como ninguém mais. É característica do diretor colocar em prática um dialogo com o público onde aquilo que se quer falar é exatamente aquilo que você está ouvindo. Mesmo não sendo um thriller jornalístico, ele consegue prender nossa atenção sobre cada passo que o The Washington Post irá tomar e se aqueles jornalistas, na melhor tradução da palavra, conseguirão publicar a verdade.

Os seus planos aéreos interrompidos pelos close-ups quando se quer prender nossa atenção naquilo que o personagem quer realmente dizer ou expressar transformam The Post – A Guerra Secreta em uma história nostálgica sobre aquilo que realmente esperamos de um jornalismo: a sempre pré disposição em ter a sociedade como a principal receptora da verdade. Em tempos de Trump e do circo midiático de Brasília fica cada vez mais difícil de acreditarmos nessa máxima.


Quando o assunto é festival com MUITAS horas de show, nada melhor que apostar em roupas e sapatos confortáveis! Selecionamos 10 looks para inspirar quem está na contagem regressiva para o Festival Planeta Brasil, que acontece no próximo sábado (27).

 

 

look-planeta-brasil-03

look-planeta-brasil-11

look-planeta-brasil-10

look-planeta-brasil-04

look-planeta-brasil-07

look-planeta-brasil-08

look-planeta-brasil-06

look-planeta-brasil-05

look-planeta-brasil-12

 

Sobre o Festival Planeta Brasil

O Planeta Brasil completa nove anos e esta promete ser a maior e melhor edição do festival. Serão três dias de música, arte e experiências com a programação do Weekend Planeta Brasil. Os ingressos estão disponíveis no sympla/planetaweekend e podem ser adquiridos por dia ou passaporte para sexta e sábado.

A abertura acontece na Land Spirit, sexta, dia 26, com as festas Nas Internas (RJ) & Hipster Party (SP), juntas em BH pela primeira vez. Com dois palcos simultâneos trazendo Hip-Hop & Música Eletrônica, o evento faz a conexão cultural entre os dois estados em Minas Gerais. A Hipster Party traz seu estilo dance music, enquanto a festa Nas Internas mostra seu espaço cultural aberto a todas as formas de arte.

Dia 27 é o grande dia. O Mineirão será palco, mais uma vez, do Festival Planeta Brasil. Em seu line-up nomes como Phoenix, Soja, O Rappa (último show em Belo Horizonte), Vintage Culture, Anavitória, Gabriel, o Pensador (25 anos de carreira), além de encontros inéditos entre Criolo e Mano Brow; Gabriel Elias e Mariana Nolasco; Oriente e Iza; Maneva e Tati Portella.

No domingo, dia 28, a programação será no Instituto Inhotim, sede de um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do Brasil e considerado o maior centro de arte ao ar livre da América Latina.

Serviço

Weekend Planeta Brasil – Dias 26, 27 e 28/01

Dia 26 – Nas Internas & Hipster Party (Land Spirit – Olhos D’Água)

Dia 27 – Festival Planeta Brasil (Mineirão)

Dia 28 – Programação no Inhotim

Passaporte: $400,00 + taxa (Camarote Land – Planeta Brasil + Nas Internas & Hipster)

sympla/planetaweekend


Phoenix-festivalplanetabrasil
Phoenix é uma das principais bandas do Festival Planeta Brasil de 2018. Venham saber quem são aqui no nosso “cara crachá”. Ao final tem uma playlist maneira para vocês escutarem um pouco da banda.

A banda indie-rock-eletrônica francesa, Phoenix, é atualmente uma das maiores referências da música independente no mundo. Formada em 1999, Phoenix, tem 4 integrantes, Thomas Mars (vocal), Deck D’Arcy (baixo), Laurent Brancowitz (guitarra), Christian Mazzalai (guitarra), 6 álbuns de estúdio e 2 ao vivo.

2010 foi o ano que a banda colocou em sua estante uma estatueta do Grammy de melhor álbum alternativo pelo álbum Wolfgang Amadeus Phoenix. É neste super álbum que tem o grande hit Lisztomania. Ti Amo é o recente álbum do grupo lançado em 2017.

Phoenix-festivalplanetabrasil

Separamos nesta playlist 10 músicas do Phoenix para vocês conhecerem melhor a banda.

Cara Crachá Planeta Brasil: Phoenix

 

Sobre o Festival Planeta Brasil

O Planeta Brasil completa nove anos e esta promete ser a maior e melhor edição do festival. Serão três dias de música, arte e experiências com a programação do Weekend Planeta Brasil. Os ingressos estão disponíveis no sympla/planetaweekend e podem ser adquiridos por dia ou passaporte para sexta e sábado.

A abertura acontece na Land Spirit, sexta, dia 26, com as festas Nas Internas (RJ) & Hipster Party (SP), juntas em BH pela primeira vez. Com dois palcos simultâneos trazendo Hip-Hop & Música Eletrônica, o evento faz a conexão cultural entre os dois estados em Minas Gerais. A Hipster Party traz seu estilo dance music, enquanto a festa Nas Internas mostra seu espaço cultural aberto a todas as formas de arte.

Dia 27 é o grande dia. O Mineirão será palco, mais uma vez, do Festival Planeta Brasil. Em seu line-up nomes como Phoenix, Soja, O Rappa (último show em Belo Horizonte), Vintage Culture, Anavitória, Gabriel, o Pensador (25 anos de carreira), além de encontros inéditos entre Criolo e Mano Brow; Gabriel Elias e Mariana Nolasco; Oriente e Iza; Maneva e Tati Portella.

No domingo, dia 28, a programação será no Instituto Inhotim, sede de um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do Brasil e considerado o maior centro de arte ao ar livre da América Latina.

Serviço

Weekend Planeta Brasil – Dias 26, 27 e 28/01

Dia 26 – Nas Internas & Hipster Party (Land Spirit – Olhos D’Água)

Dia 27 – Festival Planeta Brasil (Mineirão)

Dia 28 – Programação no Inhotim

Passaporte: $400,00 + taxa (Camarote Land – Planeta Brasil + Nas Internas & Hipster)

Sympla/planetaweekend


A maratona de cerimônias de prêmios cinematográficos começou e ficamos como? Ansiosos, histéricos, apostamos o que não temos nas bolsas de apostas… Essas coisas corriqueiras. E numa dessas conversas relembramos algumas trilhas sonoras que de tão boas ficaram para a posteridade. Dessas lembranças saiu nossa lista da semana: 5 trilhas sonoras de filmes que você pode encontrar no Spotify. Cata… melhor, ouça !

cruelintentions

1 – Cruel Intentions: Em 1999 Cruel Intentions (Segundas Intenções) chegou aos cinemas e se tornou uma febre entre os adolescentes daquela época. Afinal, o filme era uma adaptação do romance do século XVIII, Les Liasions Dangereuses, de Choderlos de Laclos, trazido para os tempos atuais estrelado pelos queridinhos da época: Sarah Michelle Gellar, Ryan Phillipe, Reesse Witherspoon e Selma Blair. A trilha sonora é uma compilação de tudo que estávamos ouvindo em 1999: “Every You Every Me” (Placebo); “Praise You” (Fatboy Slim); “Bitter Sweet Symphony” ( The Verve), entre outros. É ou não é uma trilha de respeito? Ouça toda a trilha aqui

mammamia

 – Mamma Mia: Qual a chance de um filme inspirado nas músicas do ABBA de dar errado? E somado a isso botando a rainha do mundo, Meryl Streep, pra cantar boa parte da trilha? Sucesso instantâneo e eternizado. O elenco de peso deu charme para as versões de “Mamma Mia”; “Honey, Honey”; “Dancing Queen”; “Take A Chance On Me” e por aí vai. E para os fãs, a sequencia de Mamma Mia deve estrear no final desse ano. Já podem separar as lantejoulas e escutar a trilha por aqui!

dirty dancing

3 – Dirty Dancing: Lançado em 87, Dirty Dancing fez que 10 entre 10 adolescentes suspirassem por Patrick Swayze. A trilha sonora traz sucessos dos anos 50 como, “Be My Baby” (The Ronettes); “You  Don’t Own Me” (The Blow Monkeys), entre outros. Além da sempre coreografada em casamentos “(I’ve Had) The Time Of My Life” e “She’s Like The Wind”, cantada pelo próprio Patrick Swayze. Olha eu não sei vocês, mas é passar propaganda de Dirty Dancing na Sessão daTarde pra todos aqui do Ameixa cancelarem seus compromissos e apresentarmos atestados médicos. Não perdemos! Arraste os móveis da sala e escute a play!

across the universe

4 – Across The Universe: Assim como Mamma Mia, Across the Universe não tinha como dar errado. O filme é todo com trilha sonora dos grandes sucessos dos Beatles cantadas pelo seu elenco principal. A história de amor com uma boa dose de psicodelia dos anos 60 foi o cenário ideal para “All My Loving”; “I Want To Hold Your Hand”; “Come Together”; “I Am The Walrus”; “Revolution”, entre outros sucessos. Cata

almost famous

5 – Almost Famous: Dirigido por Cameron Crowe, o filme retrata o cenário do rock dos anos 70. Um jovem de 15 anos consegue seu primeiro emprego na revista Rolling Stone e como primeira pauta deve acompanhar a banda Stillwater em sua primeira excursão pelos Estados Unidos. Entre uma cidade e outra a trilha passeia por clássicos do rock: “Sparks” (The Who); “Feel Flows” (The Beach Boys); “That’s The Way” (Led Zeppelin); “I’ve Seen All Good People” (Yes); “Tiny Dancer” (Elton John). O filme faz uma justa homenagem a uma das épocas mais criativas do rock mundial. Escute toda essa trilha maravilhosa por aqui!

Todas essas trilhas vocês encontram disponíveis no Spotify. Bom som!