Experimente Cozinha Recebe_12-09-2017 (13)

“Cozinhar é uma terapia. Queria tanto aprender a cozinhar”… Essa frase resume bastante do que ouvimos por aí desde que a gastronomia ficou tão próxima do nosso dia-a-dia. Muito devido aos  diversos programas de TV dedicados a ela, livros, filmes, canais de youtube e por aí vai. A cozinha voltou a ser o melhor lugar da casa.

Realmente cozinhar é uma terapia. Seja ela individual ou em grupo. O ato de transformar os alimentos em algo e levá-lo à mesa desperta todos os nossos sentidos. É mágico! E querer aprender a cozinhar já não é um bicho de sete cabeças. Esqueça aquela máxima: “ah é só pegar uma receita e repeti-la”. Às vezes dá certo, outras não. Aprender e ensinar a cozinhar é tão mágico e prazeroso quanto se sentar à mesa e se deliciar com um prato.

experimentecozinha2É essa magia em ensinar que torna a Experimente Cozinha Food Lab, da Chef Sabrina Gomide, uma diferencial entre tantos espaços dedicados aos ensinamentos culinários. O prazer e a disposição em passar conhecimentos da Chef são nítidos e contagiantes. Na Experimente nada é complicado, basta ter disposição.

Fomos convidados a conhecer a Experimente e colocarmos a mão na massa. O espaço inaugurado esse ano já nos ganha pelos detalhes da decoração. É o ambiente despertando o primeiro sentido: a visão! A cozinha é equipada com todo o material que o aluno precisa para se aventurar em uma cozinha. Você pode passar por essa experiência individualmente ou chamar um amigo para a aventura, uma vez que as bancadas e seus utensílios estão preparadas para isso. “Minha intenção sempre foi ter um espaço onde nossos visitantes pudessem aprender novas técnicas ou simplesmente perder o medo de cozinhar”, afirma Sabrina que reforça não ser necessário nenhum conhecimento prévio para participar dos cursos. “Aqui você aprende cozinhando!”, destaca Sabrina.

experimentecozinha5E a partir de então se faz a mágica! As quase duas décadas de dedicação e estudo à gastronomia de Sabrina Gomide são postos a favor de ensinar ao próximo. O cardápio de cada aula pode ser pré-determinado pela Chef ou escolhido, caso for um grupo de amigos, comemorações de datas especiais, confraria, pelos próprios alunos. E ao mesmo tempo olfato, tato, visão e paladar se complementam para que o que você achava difícil, complicado, impossível se materialize diante dos seus olhos. Você nesse espaço de tempo dentro da Experimente conheceu técnicas, descobriu macetes, ganhou dicas preciosas e sem se dar conta cozinhou como ninguém!

experimentecozinha6

Ao final de cada aula temos a celebração máxima que é o objetivo de cada cozinha: o prazer de se reunir à mesa, como uma grande família e brindarmos à aula, à comida feita e aos encontros que a vida nos reserva. Por um tempo tínhamos perdido esse hábito de voltarmos às nossas mesas cercado por quem amamos e ficarmos a mercê do tempo das conversas. Isso é um grande ganho da nova onda gastronômica. E também um momento especial da Experimente Cozinha Food Lab. Recomendamos que todos passem por essa experiência!

 

 

 

 

 

Serviço:

Experimente Coziha Food Lab: Rua Marte, 320ª, B. Santa Lúcia – Belo Horizonte/MG. Telefone: (31) 3586-3721 – contato@experimentecozinha.com.br


o-assassino-o-primeiro-alvo-

Uma das estréias aguardadas da semana é O Assassino: O primeiro alvo (American Assassin), filme de ação estrelado por Dylan O’Brien, Michael Keaton e Taylor Kitsch, tem tudo para se tornar uma franquia devido aos pilares óbvios que se espera dele: adrenalina, muitas cenas de ação e um protagonista simpático.

A história gira em torno de Stan Hurley (Michael Keaton), veterano da Guerra Fria que recebe a missão de treinar pela CIA, Mitch Rapp (Dylan O’Brien), um ex-soldado das forças especiais que presencia a morte de sua noiva em um atentado terrorista e desde então busca vingança apesar do seu estado psicológico estar bastante devastado. No decorrer da trama descobrimos que os métodos usados por Hurley em outro soldado (Taylor Kitsch) é a razão por trás da missão que eles devem cumprir.

Se o objetivo do filme dirigido por Michael Cuesta é prender o público com o grau máximo de adrenalina, cenas de lutas e de violência bem feitas, ele foi cumprido. O Assassino: o primeiro alvo segue a risca a cartilha do que deve ser um filme de ação e por isso mesmo fica entre os bons da safra 2017 do gênero.

O jovem Dylan O’Brien mostra um amadurecimento em sua atuação e com simpatia carrega o filme nas costas, deixando pra trás o veterano Michael Keaton. O’Brien imprime uma brutalidade e ao mesmo tempo uma doçura ao ex-soldado Rapp que o transporta direto para a categoria dos mocinhos-heróis perturbados, rebeldes que nem sempre sabem o que estão fazendo, mas que no final dá tudo certo.

Já Michael Keaton ligado no automático dá vida a mais um veterano de guerra rabugento, senhor da razão, que já vimos em quase todo filme de espionagem/CIA. Cheio de caras e bocas seu Hurley poderia facilmente ser interpretado por qualquer outro ator. Ele vindo de uma retomada de boas críticas desde Birdman, faz questionarmos o porquê de ter aceitado esse papel. Usando da sinceridade, Keaton cria um Hurley chatérrimo e mais do mesmo.

Se o que está procurando é um filme de ação e com bom ritmo, O Assassino: O primeiro alvo é a melhor dica da semana. A fotografia, principalmente na primeira cena, é maravilhosa. E é justamente essa primeira cena que irá te prender na cadeira do cinema para ver onde tudo isso irá parar.

Um pouco mais de:
Michael Cuesta: O Mensageiro (2014); Roadie (2011)
Michael Keaton: Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) (2014); The Founder (2016)
Dylan O’Brien: Maze Runner: Prova de Fogo (2015); Maze Runner: Correr ou Morrer (2014)
Temas Relacionados: O Ultimato Borne (2007); Missão Impossível (1996); O Espião Que Sabia Demais (2011)


O Cluster - Crédito Eduardo Magalhães_I Hate Flash

O Cluster abre inscrições para produtores locais que queiram participar da próxima edição do evento em Belo Horizonte, que será realizada no dia 8 de outubro, na Casa Bernardi (rua Conde de Linhares, 308, Cidade Jardim). Interessados devem enviar um e-mail, com o assunto “O Cluster BH”, para o endereço eletrônico cadastro@ocluster.com.br.

O Cluster, que já foi realizado em quatro edições na capital mineira, tem-se consolidado na cidade como importante espaço para divulgação da moda, gastronomia, música e design produzidos em solo belo horizontino. Para a idealizadora d’O Cluster, Carolina Herszenhut, trazer o evento do Rio de Janeiro para Belo Horizonte foi uma escolha acertada. “A última edição foi uma experiência incrível, pois podemos perceber que Belo Horizonte entendeu exatamente o que fazemos, e a recepção foi exatamente como gostaríamos. O resultado de vendas e público nos fez colocar BH no nosso calendário”, comenta Carolina.

Sobre o Cluster

Sucesso no Rio de Janeiro desde 2012 – ano em que foi criado, o evento propõe seguir na contramão do consumo desenfreado, procurando abrir espaço para o novo, possibilitando uma integração multicultural, de diversas áreas. Um convite ao inédito, ao inusitado e ao surpreendente, os eventos O Cluster recebem criações de novos estilistas, deliciosos e exclusivos pratos preparados por chef´s de cozinha, feiras de vinis, além de intervenções e performances artísticas. O Cluster se consolidou como um espaço onde é possível encontrar o que há de mais novo na moda carioca, se posicionando como um evento onde todas as experimentações são permitidas e fazendo essa ponte entre os criadores e o público. Em 3 anos, reuniu em 17 edições mais de 50.000 pessoas ávidas por novidades, registrando em média um público de 4.000 pessoas por edição envolvendo aproximadamente 50 marcas e mais de 100 pessoas trabalhando indiretamente.

 

Serviço 

O Cluster seleciona marcas de moda e de gastronomia belo horizontinas para edição de 08/10

Interessados devem enviar e-mail para cadastro@ocluster.com.br com o assunto “O Cluster BH”

Informações: www.ocluster.com.br e contato@ocluster.com.br


rock_in_rio_2017_ameixa_japonesa_2

Nos dias 15 e 16 de Setembro, nós fomos ao Rock In Rio desfrutar do maior festival de música do mundo. Em meio a grande organização e dezenas de shows, a gente conta para vocês nossas considerações e dicas para quem vai se divertir na próxima semana de festival.

O QUE LEVAR?

Comidas leves como barras de cereais, biscoitos, frutas. Protetores solar são importantíssimos. Uma garrafinha para abastecer de água nos diversos bebedouros espalhados pela cidade. Um canga, ou toalha para forrar o chão. E não se esqueçam de levar uma blusa de frio leve para a volta do evento. Caso leve seu celular ou equipamento de foto e vídeo, tenham muito cuidado quando estiverem no meio de muita gente. Prevenir-se é o essencial para não estragar sua diversão.

TRASLADO E ENTRADA NO EVENTO

Este ano o próprio evento incentivou a chegada na cidade do rock por meio do transporte público. Experimentei no dia 15/09. O metrô e BRT funcionaram muito bem. Acesso ao metrô era fácil, e os ônibus brts saiam de minuto em minuto. A volta também foi tranquila. Enquanto um transporte oficial cobrava R$100,00 ida e volta, o transporte público cobra R$20,00. Basta irem a qualquer estação, comprar o cartão integração e abastecer com valor proporcional aos dias que vocês irão.

rock_in_rio_2017_ameixa_japonesa

NOVA CIDADE DO ROCK

A maior novidade do evento se mostrou mais ampla, confortável e diversificada. Na cidade olímpica, o evento conta com um maior número de postos de alimentações. Espaço maior com muito mais banheiros. Nos intervalos dos shows procurem os mais distantes do palco que vocês vão enfrentar menos filas. Há enormes hashtags espalhadas no ambiente que rendem lindas fotos. Não deixem de visitar a estrutura e assistir aos shows na rock street e africana. Estão lindas, coloridas e muito interativas.

Dica: se você gosta de sentar no intervalo de um show para o outro, evite sentar na área cimentada, pois ali é lugar para transitar. Tem muita grama sintética espalhada no espaço para isto. E por favor, pessoas sentadas nos ombros não é legal. Vimos muito disso nesta edição. Evitem. Sejam educados.

O QUE COMER E BEBER?

Além do que forem levar de casa, caso queiram comer algo, o espaço está com mais opções de comida. O destaque desta edição foram as coxinhas feitas na hora. Para beber tem cervejas, águas, sucos, picolés e sorvetes para refrescar. O evento conta, novamente, com pessoas vendendo no meio do show com placas indicativas bem grandes. Caso queiram consumir as comidas e bebidas de lá, levem uma boa quantia de dinheiro. Preferencialmente em doleiras ou mochilas bem seguros. Tudo lá é muito caro.

PARQUE DE DIVERSÃO

Maior número de brinquedos de diversão. Todos podendo agendar horários dando mais liberdade para o público de conhecer outras partes da cidade. A moda dos scapes também esteve presente no Rock In Rio. 15 minutos de desafio que pode ser agendado pela internet. Espaço amplo, sem afunilamentos, mais plano e com o chão menos acidentado. Outra novidade é a área para gamers. Uma super estrutura para saber das novidades e participar de torneios.

APP ROCK IN RIO

No aplicativo oficial do evento para celular, os visitantes tem acesso a toda a programação do festival, inclusive aos horários dos shows de cada palco. Ótimo para você criar suaa própria programação, selecionando os shows de maior interesse.

 iOS: https://itunes.apple.com/us/app/rock-in-rio-2017/id1270921532?ls=1&mt=8

Android:  https://play.google.com/store/apps/details?id=com.rir.brazil

Gostamos imensamente desta edição. Os shows foram incríveis! O palco sunset está com a musicalidade diversa e não deixou a desejar para o palco mundo. Não podem perder o show de tecnologia de drones no céu. Vale a pena chegar mais cedo e curtir tudo que tem direito. Fiquem ligados nos horários dos shows. E podem esperar surpresas no palco Itaú. Para acompanhar de casa, basta sintonizar no canal Multishow, no seu app, ou em seu site.



americanahlivro

Vencedor do National Book Critics Circle Award e eleito um dos 10 melhores livros de 2013 pelo The New York Times Book Review, Americanah, da escritora Chimamanda Ngozi Adichie é daqueles livros de leitura necessária e imprescindível para entender o momento social e o porquê de seu surgimento.

Chimamanda faz de Americanah uma obra ao mesmo tempo sendo um romance com tudo que esperamos e crítica social. O seu olhar para a questão racial torna o livro urgente e extremamente importante. Ela parte de uma história de amor arrebatadora para debater questões atuais e universais como imigração, racismo e desigualdade de gênero.

Bem-humorado, sagaz e implacável, conjugando o melhor dos grandes romances e da crítica social, Americanah, publicado no Brasil pela Companhia das Letras, é um épico da contemporaneidade!

Sobre a autora

Chimamanda Ngozi Adichie nasceu em Enugu, na Nigéria, em 1977. É autora dos romances Meio sol amarelo (2008)  – vencedor do Orange Prize, adaptado para o cinema em 2013 – , Hibisco roxo (2011) e Sejamos todos feministas (2015), todos publicados no Brasil. Assina ainda uma coleção de contos, The Thing Around Your Neck (2009). Sua obra foi traduzida para mais de trinta línguas e apareceu em inúmeros periódicos, como as revistas New Yorker e Granta. Depois de ter recebido uma bolsa da MacArthur Foundation, Chimamanda vive entre a Nigéria e os EUA. Sua célebre conferencia no TED já teve mais de 1 milhão de visualizações (contando..). Americanah teve os direitos para o cinema comprados por Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar de melhor atriz por Doze anos de escravidão.

Americanah
Chimamanda Ngozi Adichie
Companhia das Letras