espumantecasaperini

WAWWJ elegeu os 10 melhores vinhos do mundo e espumante brasileiro ficou em 5º lugar.

A Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ) publicou a lista dos 10 melhores vinhos mundiais elaborada com base em concursos de bebidas disputados no mundo inteiro em 2016. A pontuação leva em conta a importância dos concursos e a colocação de cada rótulo nessas competições.

O vinho australiano Taylors Jaraman Shiraz 2014 encabeça do ranking dos melhores. E não foi só isso, a Austrália conseguiu emplacar quadro rótulos entre os melhores. O espumante brasileiro Casa Perini Moscatel, da vinícola Perini (RS), foi eleito o quinto melhor vinho do mundo. O espumante é vendido pelo preço sugerido de R$ 43,50. No ranking de melhores países produtores de vinho, o Brasil ficou em 12ºm atrás da Argentina, Chile, Portugal e África do Sul.

Veja o ranking completo:

1 – Taylors Jaraman Shiraz 2014 (Austrália)
2 – Taylors St Andrews Clare Valley 2013 (Austrália)
3 – Noe Pedro Ximenez Vors (Espanha)
4 – Taylors St Andrews Single Vineyard Release Shiraz Clare Valley 2014 (Austrália)
5 – Casa Perini Moscatel (Brasil)
6 – Beronia Rioja Reserva 2011 (Espanha)
7 – Los Noques Finca Don Juan 2013 ( Argentina)
8 – Matusalem Oloroso Dulce Muy Viejo VORS ( Espanha)
9 – Taylors Shiraz Clare Valley 2015 (Austrália)
10 – Beviam Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2012 (Chile)

Dicas de Harmonização

vinhos

Aproveitando a ocasião, o Ameixa Japonesa dá algumas dicas de harmonização para você impressionar no próximo jantar entre amigos!

Pratos ácidos: Sirva um vinho que, no mínimo, seja igualmente ácido. Evite vinhos tintos, exceção aos naturalmente mais ácidos (Sangiovese, Barbera, Pinot Noir, Gamay). Não descarte os rosados nem os espumantes como opções.

Pratos levemente doces: Tenha certeza de que o vinho possua a mesma personalidade do prato servido, como um Chenin Blanc ou Riesling. Se você realmente quiser um vinho seco, utilize um jovem com muita fruta madura.

Pratos Salgados: Escolha um vinho com baixo teor alcoólico, já que o calor é ampliado pelo sal. Combine com vinhos que tenham uma leve doçura. Evite vinhos com muito carvalho ou tanino.

Pratos apimentados ou com especiarias: Quanto mais especiarias na comida, mais difícil será a harmonização. Escolha um vinho jovem, com baixo teor alcoólico, sem ou com o mínimo de carvalho e, se possível, com algum açúcar residual (para brancos e rosados). Dê preferência aos vinhos brancos e rosados meio-secos, espumantes também combinam bem. Quando os pratos forem muito apimentados como os preparados com chilli, os tailandeses, indianos ou coreanos, opte por cerveja ou bebidas à base de iogurte e sirva grande quantidade de arroz branco.

Pratos com molhos e condimentos fortes: Esqueça o ingrediente principal e harmonize o vinho com o molho ou com os condimentos.

Fonte: Livro Comida e Vinho – Harmonização Essencial, de José Ivan Santos e José Maria Santana, Editora Senac (SP)

E já que estamos dando o serviço completo, nada melhor que um Top 10 músicas para escutar enquanto apreciamos um bom vinho.


O desfile comemorativo de dez anos de Minas Trend levou para a passarela as tradições mineiras, sem deixar de lado, a modernidade e tecnologia de nossa indústria de moda.

minastrend-inverno-2017-01

minastrend-inverno-2017-02

O vermelho e suas variações dominaram as composições de looks. E sim! Teve modelo plus size na passarela do Minas Trend!

“Como trabalho com mais de 100 marcas, cada uma com seu DNA, tenho que fazer um desfile com 60 looks e a roupa, neste momento, é meu instrumento para contar uma história acima de tendências ou cores. Resumindo, é uma grande homenagem a todas essas ‘Marias’ ressaltadas no final do desfile pela música ´Maria, Maria´ de Fernando Brant”, conta o stylist Paulo Martinez, responsável pelo desfile.

minastrend-2018-04

minastrend-2018-07

minastrend-2018-01

minastrend-2018-09

FOTOS: OSVALDO CASTRO

MINAS TREND OUTONO / INVERNO 2018

De 03 a 05 de oututbro – terça à quinta-feira – 10h às 20h
06 de outubro – sexta-feira – De 10h às 17h
Mais informações: www.minastrend.com.br

 


barbaensopadadesangue

O nosso livro da semana é o romance de Daniel Galera, Barba Ensopada de Sangue, lançado pela Companhia das Letras, em 2012. Misturando ternura e uma boa dose de violência, o livro é um mergulho em nossas pulsões mais primitivas e uma investigação sobre a origem insuspeita dos mitos da vida comum, alicerçados em amores perdidos, conflitos familiares, segredos inconfessos e nas dificuldades que enfrentamos para entender e reconhecer os outros.

Na história de Barba Ensopada de Sangue acompanhamos um professor de educação física apaixonado por natação que se muda para uma cidadezinha no litoral de Santa Catarina. Ele está em busca de recolhimento e solidão para elaborar a morte do pai e se afastar de um momento familiar conturbado. Mas também quer compreender o que está por trás do mistério envolvendo a morte do avô.

Alternando descrições cheias de minúcias, mas nunca documentais, e demonstrações de um ouvido apurado para diálogos, Daniel Galera trabalha com habilidade a tensão entre o tom contemplativo do mundo exterior e a ebulição interna dos personagens. Como em outras obras do autor, os personagens de Barba Ensopada de Sangue parecem dilacerados entre a busca de uma segunda chance e a impossibilidade de uma redenção genuína.

Sobre o Autor

Gabriel Galera nasceu em São Paulo em 1979, mas passou maior parte da vida em Porto Alegre. É escritor, tradutor e um dos criadores da editora Livros do Mal, pela qual lançou seu livro de estréia, Dentes Guardados (2001), e a primeira edição de Até O Dia Em Que O Cão Morreu (2003), adaptado para o cinema em 2007 e reeditado pela Companhia das Letras. Pela editora, lançou também Mãos de Cavalo (2006), Cordilheira (2008 – vencedor do prêmio Machado de Assis de romance) e o álbum em quadrinhos Cachalote (2010) e Meia-Noite E Vinte (2016). Teve os direitos dos seus livros vendidos para Inglaterra, Estados Unidos, França, Itália, Argentina, Portugal, Romênia e Holanda.

Barba Ensopada de Sangue
Gabriel Galera
Companhia das Letras


O primeiro disco escolhido para a coluna Bolachão é ELIZETH CARDOSO, ZIMBO TRIO, JACOB DO BANDOLIM, ÉPOCA DE OURO – AO VIVO NO TEATRO JOÃO CAETANO, um dos principais discos da história da música popular brasileira.

ElizethCardoso-Bolachão-Vinil-ELIZETH CARDOSO-ZIMBO TRIO-JACOB DO BANDOLIM-ÉPOCA DE OURO-AO VIVO NO TEATRO JOÃO CAETANO

ELIZETH CARDOSO, ZIMBO TRIO E JACOB DO BANDOLIM, ÉPOCA DE OURO – AO VIVO NO TEATRO JOÃO CAETANO, foi lançado em 1968 em dois volumes, com 39 faixas, gravado na noite chuvosa de 19 de fevereiro de 1968, no teatro João Caetano no Rio de Janeiro. A produção artística é de Hermínio Bello de Carvalho.

Naquela época, o Museu da Imagem e Som do Rio de Janeiro atravessava uma fase de muita dificuldade financeira. Elizeth uniu-se com o Zimbo Trio, Jacob do Bandolim e sua banda Época de Ouro para fazer um show inesquecível para 1.500 pessoas, com duração de duas horas, em prol do museu. A dificuldade financeira era tamanha que, para viabilizar a gravação do show, o então diretor do museu, Ricardo Cravo Albin, recorreu à Embaixada Americana para conseguir fitas, com conteúdos de gravações de personalidade políticas, para registrar o espetáculo.

O repertório é composto por inúmeros sucessos da Divina Elizeth, instrumentais grandiosos dos acompanhantes, canções de importantes compositores da música brasileira, tais como Noel Rosa, Milton Nascimento, Vinícius de Moraes, Ary Barroso, Tom Jobim, Pixinguinha. A sequência das músicas não é idêntica à apresentada naquele show. Houve pequenas alterações na ordem para trazer certa cronologia às canções. Algumas canções ficaram de fora da versão elepê por terem ultrapassado os previstos 90 minutos para o recital. Foi em 1977 que Hermínio Bello conseguiu editar um terceiro disco com fragmentos inéditos do show.

É um dos álbuns mais relevantes da música brasileira, segundo a opinião de críticos, compositores e cantores. O poder da voz de Elizeth, acompanhada de músicos gigantescos, traz o tempo áureo das canções brasileiras. Foram 80.000 cópias vendidas no Brasil, além de ter sido apontado como o disco mais esperado pelos fãs e pela indústria fonográfica. O sucesso é tamanho que no Japão ele teve uma edição especial e rara, quase integral. Estes LPs estão na lista dos mais raros de se adquirir. Com a chegada do CD, conseguiu-se, então, o registro integral do recital em 2 volumes de 80 minutos cada, incluindo vários intervalos de muitos aplausos e interações com a plateia, o que confere um gosto a mais ao álbum.

ELIZETH CARDOSO

ElizethCardoso-Bolachão-Vinil

Divina, Cantadeira do amor, Faxineira das canções, Meiga, Enluarada são alguns dos tantos apelidos que Elizeth Cardoso recebeu e recebe referendando sua voz, sua carreira e sua versatilidade. Nascida em 16 de julho de 1920, em São Francisco Xavier/RJ, foi descoberta por Jacob do Bandolim. Cantou boleros, chorinhos, samba-canções e sambas em muitas histórias de amor. Com seu antológico disco “Canção Do Amor Demais”, de 1958, só com músicas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, surgiu aquele que é considerado a origem da bossa-nova. A Divina morreu em 7 de maio de 1990 em decorrência de um câncer. Sua discografia é facilmente encontrada em CD, plataformas digitais e lojas de discos de vinil. Atualmente, há inúmeros nomes da música brasileira cantando discos inteiros em homenagem à obra de Elizeth, uma delas é Rosa Passos. Para os jovens da atualidade, Elizeth é mais conhecida pela canção ‘Eu Bem Sim’.

Digipack.indd

Separamos uma playlist com top 10 canções na voz de Elizeth Cardoso. Adicionamos várias fases de sua carreira para quem conhece matar a saudade. Quem não conhece, poderá ouvir e entender a obra e importância desta ilustre cantadeira.

Escute:

ELIZETH CARDOSO, ZIMBO TRIO, JACOB DO BANDOLIM, ÉPOCA DE OURO – AO VIVO NO TEATRO JOÃO CAETANO Vol.1

ELIZETH CARDOSO, ZIMBO TRIO, JACOB DO BANDOLIM, ÉPOCA DE OURO – AO VIVO NO TEATRO JOÃO CAETANO Vol.2


Milton Nascimento e Tiago Iorc (1)

Os cantores Milton Nascimento e Tiago Iorc estarão juntos em BH no show intimista Mais Bonito Não Há.

É isso mesmo que vocês estão lendo! Reservem o dia 03 de dezembro para um encontro prá lá de musical. Milton Nascimento e Tiago Iorc subirão ao palco do anfiteatro do Mineirão juntos para um show voz e violão em comemoração a parceria dos dois para a música que leva o mesmo nome do show.

Será apresentação única então é melhor correr para garantir o seu ingresso. Os portões serão abertos às 17h e os ingressos já estão sendo vendidos pelo Sympla, com valores a partir de R$20. A produção é da SleepWalkers Entretenimento.

Quando estivermos mais próximo do show daremos mais detalhes sobre esse encontro que promete emocionar!