amor-natural-02

O corpo noutro corpo entrelaçado, fundido, dissolvido,
volta à origem dos seres, que Platão viu completados:
é um, perfeito em dois; são dois em um
(Carlos Drummond de Andrade)

A Academia Mineira de Letras, em parceria com o Festival Literário Internacional de Belo Horizonte – FLI-BH, realiza a segunda edição do Sarau na Academia, evento que convida poetas, artistas e amantes de poesia para produzirem juntos um sarau poético. O próximo encontro acontece na terça-feira, dia 23 de junho, às 20h, no auditório da Academia.

Apaixonados por literatura, o contista Sérgio Fantini e os bibliotecários Ana Amélia Lage Martins e Rodrigo Teixeira estão à frente desta edição que incentiva a participação do público. O tema da vez é a obra O Amor Natural, livro de coletâneas de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1992, cinco anos após a morte do escritor. São 40 poemas, quase todos inéditos, com exceção de alguns poucos publicados em revistas eróticas durante a década de setenta. O material ficou guardado durante anos por desejo do próprio Drummond que pediu aos herdeiros para publicarem os poemas somente depois do seu falecimento.

O Amor Natural é aclamado como um grande acontecimento cultural, por apresentar a lírica erótica de Drummod e trazer à tona um lado desconhecido dele que é um dos maiores poetas da literatura brasileira. São textos repletos de vida e sensualidade, que trabalham com os limites entre o erótico e o pornográfico, o sexo e o amor.

Serviço

Sarau na Academia | O Amor Natural | Carlos Drummond de Andrade
Terça-feira, 23 de junho de 2015 |Horário: 20h |Entrada gratuita
Sujeita à lotação do espaço (capacidade máxima: 100 pessoas)

Academia Mineira de Letras | Rua da Bahia, 1466, Centro, BH

Informações: (31) 3222-5764


O artista e publicitário mineiro Gustavo Gontijo vem conquistando uma legião de fãs com as suas colagens divertidas (vale conferir no Instagram @gustavogontijoart). Tanto é que elas viraram uma exposição. “Circunda-te de flores” estreia na próxima quinta-feira (14) nas paredes do Restaurante 2015 (que a gente adora!).Serão 20 colagens expostas, caminhando por cinco temas: arquitetura, dança, anatomia, Brasil colonial e música.

Conheça o trabalho do artista

O amor pela colagem, o amor pelas flores, o amor pelo Brasil, o amor pelo retrô, o amor pelas cores e formas, tudo isso são atributos essenciais para criação das minhas colagens. Me chamo Gustavo Gontijo, sou um publicitário mineiro com um olhar bastante atento a sua volta, um olhar inquieto, que não se contenta em ver uma imagem sem ao mesmo tempo imaginar um novo significado para ela.

As colagens que faço são fruto de referências das coisas simples que eu gosto, do meu dia a dia, da minha bagagem cultural e do meu estado de espirito, sempre acreditei que, ao olhar meu trabalho, não é a pessoa quem escolhe a sua colagem preferida, mas sim, a colagem quem escolhe a pessoa.

Gustavo_Gontijo1 Gustavo_Gontijo2 Gustavo_Gontijo3 Gustavo_Gontijo4 Gustavo_Gontijo5 Gustavo_Gontijo6 Gustavo_Gontijo7

Serviço:
“Circunda-te de flores” por Gustavo Gontijo
Local: Restaurante 2015 Rua Levindo Lopes , 158 – Savassi, Belo Horizonte


Partindo da noção de que os cartazes são formas antigas de se expressar uma ideia, foi que o designer gráfico e artista plástico mineiro Fernando Carvalho lançou o projeto “Um Cartaz Uma História”. Todos os cartazes são feitos manualmente, um a um, com suas peculiaridades e – por que não – suas imperfeições. Como o próprio nome do projeto já diz, cada obra feita tem a sua história, e, por isso, são edições limitadíssimas. Todas as obras ganham vida no papel, seja com a técnica de nanquim e aquarela ou no “crop art”, sobreposição de camadas de diferentes tipos de papéis.

beatles

nando2

nando3

nao_Se

10990012_1507330416155988_3219452386212072258_n

Atualmente, os trabalhos do projeto podem ser vistos no Instagram @umcartazumahistoria, na página do facebook.com/umcartazumahistoria e no site www.umcartazumahistoria.com.


Fui à padaria comer um macarrão. Enquanto aguardava o meu, assistia à atendente preparar o do cliente anterior. Como costumo almoçar lá, percebi desta vez um carinho diferente no preparo da massa, um manejo vagaroso e até um olhar de admiração sobre a panela. Numa paciência não digna da maioria das atendentes de padarias lotadas, ela desligou o fogo, virou o macarrão na louça, salpicou pimenta e orégano e o enfeitou com duas pimentas biquinho. Nunca tinha visto tal zelo antes. Procurei o cliente sortudo e não o encontrei. Aí, ela pegou o prato, dirigiu-se à mesa, assentou-se e iniciou a refeição. Era pra ela.

*Rita Lopes é jornalista, locutora e colaboradora do Ameixa Japonesa, como cronista.

 

Islutração: Anna Parini
Ilustração: Anna Parini


quinto07
O que eu mais adoro além de achar coisas bacanas no mundo todo, durante as minhas pesquisas, é encontrar essas coisas aqui na nossa querida Beagá!
Tive a oportunidade de ir em uma apresentação do Grupo Quinto. O grupo é uma reunião de seis (talentosíssimos) pianistas que buscam criar experiências inesquecíveis por meio da música. Na apresentação Villa-Lobos: vamos todos cirandar, os pianistas são arquétipos da nossa infância, e durante, aproximadamente, 60 minutos, somos envolvidos pelo encantamento da música. O público diverso, desde de crianças de colo até leigos na música (como eu!), ficam hipnotizados tamanha delicadeza.
Parabéns ao grupo pelo trabalho. Por mais momentos de ternura como este.
quinto05
quinto04
quinto03
quinto01