Rede Sola de Dança, projeto que surgiu aqui em Belo Horizonte, lançou um projeto de financiamento coletivo para realizar sua primeira iniciativa – a Mostra Sola de Dança.
Eles se uniram com o objetivo de movimentar o mercado para danças de solo, de todas as modalidades. O núcleo gestor é formado pelos bailarinos: Priscila Patta; Italo Augusto; Lucas Medeiros; Duna Dias; Nicolle Vieira. A rede em si, atualmente, já possui mais de 25 pessoas colaboradoras e interessadas em fazer parte.
Ao conseguirem sucesso no financiamento coletivo, a Mostra Sola de Dança acontece em maio no Teatro Espanca, Belo Horizonte, e terá uma programação com espetáculos, workshop e festa.
Assista o vídeo da campanha!

Essa será a primeira iniciativa da RSD, mas eles já estão com mais planos. Querem realizar a Mostra Feminina de Dança em São Paulo; em junho de 2016 farão a 1ª Mostra de Vídeo-Dança – que inclusive está com convocatória aberta para receber trabalhos.  E no segundo semestre, pretendem iniciar ações constantes na cidade, com sessões de performances em formatos mais flexíveis, entre outros.
Suas propostas são também motivos para apoiar a campanha de crowdfunding:

1. Existem vários bailarinos e bailarinas que desenvolvem projetos de dança solo, mas o mercado não cresceu na mesma proporção. A proposta da RSD é apoiar esses artistas para que seus trabalhos possam existir, de forma profissional.

2. Enquanto um membro da rede dança, o outro produz, o outro faz a luz, o outro faz a cenografia, você assiste, e assim por diante. O que eles querem é promover uma união de saberes.

3. Dança solo pode ser contemporânea, flamenca, dança do ventre, dança popular, dança aérea, hip hop e muito mais. A ideia da RSD é unir esses estilos e artistas através de intercâmbios e trocas constantes. Sozinhos, porém muito bem acompanhados. E o público está convidado a fazer parte seja na plateia, seja nas discussões ou nas aulas. Sendo um colaborador ativo, que participa e constrói junto.

4. Qual é o lugar da dança? Eles entendem que são todos. Sejam as ruas, bares, cafés, teatros, onde for. O objetivo é atenuar essas fronteiras espaciais.

5. Eles vão incentivar o diálogo! O objetivo é unir jeitos diferentes de fazer dança.

6. A RSD vai incentivar o público a dançar, promovendo encontros pela cidade. Oferecer diversas formas de se fazer e apreciar a dança é o que se pretende. Eles querem promover a dança como um lugar de celebração, de construção de saberes, de estudos científicos e autorais, de formação cidadã, de encontro com o próprio corpo e com as pessoas.

Campanha de financiamento coletivo para a I Mostra Sola de Dança, na plataforma variavel5.com.br/projetos/mostrasola/ 

city-and-colour-em-bh

A gente começa a semana com City and Colour que se apresenta em BH na próxima sexta, dia 30, abrindo a temporada temporada 2016 do Queremos! em BH. Acompanho o Queremos! desde o comecinho e já fui em MUITOS shows deles no Rio, fico muito feliz com eles também na nossa cidade, tão carente de shows internacionais.

City and Colour, projeto folk de Dallas Green, vem com tudo para o Music Hall BH, trazendo banda, show completo e um setlist digno de estreia na cidade mineira. Bora todo mundo?!

Saiba mais sobre o Queremos!
Ingressos: wede.md/CityBH


bf8452a0-cc90-4b97-8186-9aabe76b2d5f

 

No ano em que comemora 15 anos de história, a Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito fecha a programação do primeiro bimestre com duas sessões para lá de especiais. A primeira acontece na próxima segunda-feira, dia 25 de abril, às 20h, como de costume, no Cine Humberto Mauro onde será exibido o documentário Moscou (Eduardo Coutinho, 2009), seguido de bate-papo com os atores Chico Pelúcio e Inês Peixoto, integrantes do Grupo Galpão. A segunda sessão, que acontece pela primeira vez na Benfeitoria, mistura cinema e música, com apresentação da banda Djalma Não Entende de Política e exibição do filme O Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano (Henrique Dantas, 2009), na quarta-feira, dia 27 de abril, a partir das 19h. Tudo, como sempre, com entrada franca.

Dando continuidade a temática Cinema e Teatro, trabalhada nas primeiras sessões de 2016, o Curta Circuito apresenta Moscou, documentário dirigido pelo grande cineasta Eduardo Coutinho, falecido em 2014. O filme registra três semanas de ensaio do Grupo Galpão durante a montagem da peça “As Três Irmãs”, de Anton Tchekhov, que premeditadamente nunca chegaria aos palcos. Lançado em 2009 em meio à várias polêmicas, Moscou transborda as barreiras do documentário e leva o diálogo entre o real e o fictício para um novo patamar. (Leia mais sobre o filme no texto anexo do crítico de cinema Francis Vogner).

d7d14124-87f8-4132-82e7-0039d2455a6c

Moscou |Eduardo Coutinho, RJ, 2009, 78’
Em Belo Horizonte, o Grupo Galpão e o diretor de teatro Enrique Diaz se dispuseram a enfrentar o desafio de “montar”, em três semanas, a peça “As Três Irmãs”, de Anton Tchekcov. O filme é composto de fragmentos dos workshops, improvisações e ensaios de uma peça que não teve e nem terá estreia.

Sessões na Benfeitoria_ Recordar é Viver
Dentro das comemorações de aniversário da mostra, que não poderia passar batido, o Curta Circuito fará sessões especiais na Benfeitoria com o tema: Recordar é viver. A ideia é trazer de volta alguns dos filmes que passaram pela programação durante esses 15 anos de trajetória. O primeiro escolhido é Filhos de João, o admirável mundo novo baiano, que retrata a história dos Novos Baianos e a relação de Pepeu Gomes, Moraes Moreira e o resto do grupo (exceto Baby do Brasil que não autorizou a exibição de seu depoimento) com o músico João Gilberto. O documentário, dirigido por Henrique Dantas, levou o Prêmio Especial do Júri e Prêmio do Júri Popular no Festival de Brasília. O filme será exibido às 20h (o local abre às 19h), seguido da apresentação da banda Djalma não Entende de Política, em formação especial, tocando apenas Novos Baianos. A entrada é gratuita. O convite é para o público entrar no clima da Tropicália e ir à caráter. A melhor caracterização de Novos Baianos vai ganhar brindes do Curta Circuito e um shot especial da Benfeitoria.

 

novos-baianos-curta-circuito
Filhos de João, o admirável mundo novo baiano| Henrique Dantas, RJ, 2009, 75′
Um panorama da música popular brasileira dos anos 60 e 70 através do grupo musical Novos Baianos, que marcaram a música popular brasileira utilizando-se de vários ritmos musicais que vão de bossa nova, frevo, baião, choro, afoxé ao rock n’ roll. Uma retrospectiva do estilo de vida comunitário adotado por seus integrantes e a influência sofrida pelo grupo do cantor João Gilberto.

Sobre o Curta Circuito – Cinema de Afeto
Com o tema Cinema de Afeto, o Curta Circuito completando 15 anos de atividade em 2016 e tem muito o que comemorar. Durante sua trajetória, a Mostra de Cinema Permanente, que exibe exclusivamente filmes nacionais, sempre com entrada franca, conseguiu reunir um público de mais de 70 mil pessoas, que estiveram presentes em quase cinco mil sessões. A mostra, que a partir deste ano é dirigida por Daniela Fernandes, da Le Petit Comunicação Visual e Editorial, é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos. Tendo já atuado em 18 cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pará, a mostra hoje foca no público belo-horizontino e tem como “sede” de suas exibições o Cine Humberto Mauro. Já passaram pelo projeto convidados como Nelson Pereira dos Santos, Zé do Caixão, Sidney Magal, Othon Bastos, Antônio Pitanga, entre outros. O Curta Circuito atua também na preservação e memória do cinema brasileiro, trabalhando no restauro de filmes, em parceria com a Cinemateca do MAM RJ. A iniciativa recebeu Mention do D’Hounner em Milão, em 2013, pela restauração do filme “Tostão, a fera de Ouro”, da década de 1970.

 

Filme | Moscou + bate-papo com Chico Pelúcio e Inês Peixoto
Data | 25 de abril (segunda-feira)
Local | Cine Humberto Mauro | Palácio das Artes
Horário|20h
Entrada gratuita_ Sujeito a lotação do espaço
Classificação Indicativa| 16 anos
Capacidade da Sala | 129 lugares (ingressos poderão ser retirados meia hora antes da sessão)

Filme | O Admirável Mundo Novo Baiano + Djalma não entende de política
Data | 27 de abril (quarta-feira)
Local | Benfeitoria _ Rua Sapucaí, 153
Horário|19h (abertura do local)
Entrada gratuita_Sujeito a lotação do espaço
Capacidade | 130 pessoas


12967269_972388282856817_3992279743339563734_o

A terceira edição da Feira Itinerante Amostra (FIA da mamãe) acontece no próximo sábado, dia 16, no bairro São Pedro! O projeto tem como objetivo circular por BH e região metropolitana em diferentes locais, promovendo o comércio das marcas e produtos que nem sempre são conhecidos pelo grande público. Dá uma olhada na quantidade de marcas participantes!

 

Captura de Tela 2016-04-12 às 20.31.59Captura de Tela 2016-04-12 às 20.32.53

 

 

Saiba tudo sobre as marcas e seus produtos no site da FIA!

E uma novidade que eu adorei: Além do evento que acontecerá no dia 16, o público também poderá entrar em contato com os expositores através da vitrine virtual que ficará disponível permanentemente pelo site: http://feiraamostra.wix.com/fiabh

FIA – Feira Itinerante Amostra

Ilha Major 

Rua Major Lopes, 760 – São Pedro

Sábado, dia 16 de Abril

De 11h às 20h