fotohely1

*Por Hely Costa Jr.

Dias atrás, o Ameixa Japonesa me pediu um texto com dicas de viagens. Viajar, conhecer novos lugares, culturas e gente diferente é uma das coisas que mais gostos de fazer. Pena que me falta dinheiro e férias…

Pensei em escrever sobre Roma, pra mim, a cidade mais linda do mundo. Mas aí lembrei do La Catedral, um dos lugares mais incríveis que já fui em Buenos Aires. Ou seria melhor escrever sobre o Pitico, um bar delicioso que fui esse fim de semana em São Paulo? Mas teve aquele dia que fui expulso do Couchsurfing em Paris… Bingo!

Pra quem não conhece, #ficadica, Couchsurfing é uma plataforma online que possibilita que você viaje e se hóspede de graça na casa de alguém! Funciona assim: você se cadastra, faz um perfil, escolhe pra qual lugar quer viajar, define as datas, faz uma busca e ele te retorna com pessoas que estão dispostas a receber viajantes aventureiros. Contato feito e pedido de hospedagem aceito é só fazer as malas!

Após a sua hospedagem, você vai ser avaliado pelo seu anfitrião e fará o mesmo com ele, o que faz com que os perfis tenham avaliações de todos os envolvidos, o que dá certa segurança na hora da escolha! A privacidade e o conforto de um hotel são indiscutíveis, mas pra quem está viajando sozinho e não tem muita frescura, a experiência de se hospedar na casa de alguém que você não conhece é enriquecedora e o melhor, o custo é zero!

fotohely2Minha primeira experiência com o Couchsurfing foi em Roma. Fiquei na casa de um casal que me ofereceu não um sofá, mas um quarto e ainda me ofereceram um citytour noturno com direito ao melhor sorvete da cidade. Em Playa del Carmen fui levado para comer os melhores tacos do Caribe mexicano, numa kombi, no estacionamento de um supermercado. Além de um jantar com chiles poblanos, um prato típico mexicano, no qual o recheio dos pimentões fica cozinhando por mais de oito horas. Na Cidade do México, depois de um aniversário, terminei a noite ensinando a galera a sambar. Em Madri ganhei um jantar de aniversário. E em Paris, bom, em Paris fui convidado a me retirar por não ceder às tentativas de sedução do tiozinho que me hospedava: C’est la vie.

fotohely3Além de viajar, já recebi muita gente! E nunca tive problema, pelo contrário fiz vários amigos! Viajar e hospedar pelo Couchsurfing é pra quem está com o coração e mente abertos e viver experiências incríveis. Sobretudo porque você foge do turismo convencional, aquele com guia e hora marcada! É uma possibilidade de conhecer uma cidade pela ótica de seus habitantes, frequentar os locais que eles costumam ir e não pelas indicações do pacote da agência, que muitas vezes é uma grande roubada!

Pode dar errado? Claro que pode! Mas aquele hotelzinho que parecia incrível no site, pode ser bem diferente ao vivo e ter um cheiro de mofo terrível. Então, se você quiser se aventurar na próxima viagem experimente o Couchsurfing, quem sabe você não divide os dias em uma cidade entre um hotel e um sofá? Além de economizar, provavelmente você irá conhecer muito mais que os pontos turísticos de uma cidade.


Um dos achados mais incríveis durante minhas férias em Buenos Aires foi a Roho Peluquería, um salão incrível cheio de gente moderna, bacana e divertida. O que mais me chamou a atenção foi a trilha sonora (Shazam ligado o tempo todo, rs) e a decoração incrível: toda colorida e com detalhes em luzes de led que ficam mudando de cor o tempo todo. Me senti em casa =)

A Roho já é bem conhecida na Argentina por assinar editoriais incríveis de moda e está em todas as revistas. Enquanto você lava o cabelo, TV’s que ficam presas ao teto passam uma programação de filmes incríveis. Quando eu vi, pensei “porque ninguém tinha pensado nisso antes?”, porque você não fica olhando pro “nada” enquanto lava o cabelo, né? Bom, o resultado é que eu tô amando e não vejo a hora de voltar.

image_1_1

ROHO PALERMO 04-®marcelosetton BAJA

Aproveitei o dia e resolvi fazer uma “transformação” bem inspirada no estilo das argentinas e segui as dicas de uma amiga, também do Brasil, e que tinha visitado o salão e pintado as pontas do cabelo de lilás. O cabeleireiro me sugeriu fazer uma mecha rosa lateral e também cortou a minha franja. E olha, depois de várias tentativas em vários salões aqui, em nenhum lugar conseguiu fazer uma franja em mim na medida certa, do jeito que eu imaginava.

Eu que gosto muito do cabelo liso com aparência de natural, achei que a escova de lá valeu muito à pena, pois deixou o cabelo liso sem precisar apelar pra chapinha. O preço é caro para os argentinos, mas foi até tranquilo comparando com os salões chiques aqui de BH. Gastei 200 pesos para pintar de rosa uma mecha do cabelo, cortar a franjinha e escovar.

Pra quem adora cabelos coloridos e tem vontade de pintar, lá é o local é super indicado. Na página deles no Facebook tem várias fotos incríveis de cabelos que eles pintaram, um mais diferente que o outro. Vale a visita!

foto 1

foto 3

ROHO – Calle Malabia, 1931, Palermo – Buenos Aires


É chegada a hora da segunda parte do nosso roteiro hermano em Buenos Aires. Antes  disso, algumas pessoas me questionaram o por que de não fazer meu primeiro post sobre Belo Horizonte. Bom, ainda quero escrever sobre BH sim, mas esse ponto de partida em Buenos tem a intenção despretensiosa de mostrar como uma cidade latinoamericana próxima da gente consegue oferecer opções de entretenimento e consumo tão diversas e que não ficam devendo em nada aos exemplos americanos e europeus que admiramos de longe, desejando que viessem para o Brasil.

E não era o caso também de falar de São Paulo ou do Rio. Queria uma referência que pudesse criar uma conexão cool com o perfil e potencial de BH. Então, muito do que venho indicando aqui são marcas, lojas e restaurantes que, na minha opinião, poderiam arrasar em terras mineiras. E que atire o primeiro tênis molhado quem nunca desejou uma galocha nas torrenciais chuvas que por aqui desabam!

Pra começar, vamos falar de presentinhos para os pequenos (ou para tantos adultos que adoram um toy para colecionar).


Sopa de Príncipe

Uma marca argentina de bonecos de pano muito fofos. Tem porcos com pernas longas, vacas listradas e outros sem espécie definida. Vai lá e resgata alguns bichinhos. Thames 1749, Palermo e na lojinha do Malba também tem pra vender.


Sabater Hnos

Imagine ir para Buenos Aires e ao invés de encher a mala com pesadas garrafas de vinho para distribuir para toda a família (melhor beber todas por lá) você trouxer sabonetes de lembrança. Esta loja tem modelos lindos em temas diversos. Vale também conferir a história da família fundadora da marca. Gurruchaga 1821, Palermo.

Trippin’ Store

Loja mega charmosa de produtos de design, lomos e roupas. Tem de tudo um pouco. Conhecem as alpargatas Paez? Lá tem uma infinidade de modelos. Toy Art? Também tem. Bolsas da marca? Várias. Um casal de atendentes tão bonitos que até incomoda? Com certeza (até o início do ano, pelo menos). Taí um lugar que homens e mulheres não vão reclamar de passar horas conhecendo.Rua Armênia 1838, Palermo.

Roho Peluquería

Daí que você chega em Buenos e vê pelas ruas homens e mulheres com cortes de cabelo diferentões e fica naquela vontade. Então deixe o medo de lado e vai cortar esse cabelão liso (típico do Belô) no salão Roho. O lugar é decorado com luzes nos balcões que vão mudando de cor, TVs no teto para você curtir enquanto lava o cabelo e toda aquela vibe rock n’ roll que a trilha sonora faz questão de salientar. Procure pelo simpático Ricardo e deixe que ele sugira um corte para você. Mas cuidado, rola uma massagem na nuca (nas mulheres) que deixou duas amigas apaixonadas. Mas ninguém soube definir ao certo pra qual time ele torce. Vai lá descobrir e conta pra gente. Malabia 1931.

Fundación PROA

Foi ao Caminito no La Boca, tirou algumas fotos e… pronto? É um lugar meio turistão demais. Ótimo para algumas fotos, mas fica faltando algo, não? Então vá à Fundación PROA.  Infelizmente fui em um dia que estava fechada, mas dou a dica porque só ouvi elogios sobre as expôs que acontecem por lá. Parece que existe um restaurante/café bem legal lá dentro também. Quem já foi pode contar mais pra gente nos comentários. Av. Pedro de Mendoza 1929, La Boca, Caminito.

Floralis Generica

É a flor de metal que é um dos pontos turísticos que mais valem a visita. Leve uma toalha e comidinhas para um piquenique no gramado no fim do dia. Se tiver paciência, espere a flor se fechar por completo. Av. Figueroa Alcorta e Áustria, Recoleta.

E no meu roteiro ficaram vários lugares que não fui por falta de tempo. Porque nossa amiga Buenos é assim, você se mata de tanto andar e mesmo assim não consegue conferir tudo que ela tem para mostrar.

 

Ah! Uma última dica: cruze o Rio De La Plata de buquebus e vá conhecer Colonia del Sacramento. Pensando bem, o Uruguai bem merece um post especial. Mas já vou avisando que a parcialidade poderá incomodar alguns porque taí um país que eu sou perdidamente apaixonado sem uma razão muito lógica.

 

Até a próxima.

.
.
.
Sérgio Souto é sócio-fundador do CoolHow Creative Lab. A fim de fazer valer o manifesto de transformar BH na cidade mais cool do Brasil, vive ligado no que acontece de mais interessante por aí, sempre torcendo para presenciar ao vivo cada novidade.

 


Buenos Aires já não é mais uma recente descoberta turística dos brasileiros, certo? Há um bom tempo ela vem batendo de frente com as cidades tupiniquins pela preferência e, na maioria das vezes, vencendo pela favorável cotação da sua moeda. E se a riqueza tem ignorado você por aqui, aproveite porque na capital porteña ela finge ser uma amiga de infância. E esse fingimento é um dos sentimentos mais verdadeiros que a viagem vai despertar.

Então deixemos as discussões nobres e ações solidárias para um outro momento e vamos explorar um pouco mais esta amizade interesseira que 10 entre 10 brasileiros constroem com a capital porteña?

Selecionamos e conferimos pessoalmente alguns bons motivos para você curtir a cidade em qualquer época do ano. Da gastronomia à arquitetura, dos pontos turísticos ao design local.

Museu Malba

Para ninguém me chamar de fútil logo de cara, indico o Museu Malba. É um ponto turístico necessário que vale a pena ser visitado. No início do ano aconteceu a expô da Marta Manujin, uma artista argentina com uma visão particular da arte que possui uma forte temática política com uma pegada muito irreverente e, por vezes, até surreal. Aproveite e almoce no restô do museu. Av. Figueroa Alcorta, 3415.

Bolívia. Ropa para Hombres.

Uma marca de roupas com algumas lojas espalhadas pelo Palermo com modelagem ousada, ainda mais para os homens. Vale arriscar no suéter decotadíssimo de gola canoa e o blazer xadrez. Gurruchaga, 1581 ou Costa Rica, 4672.

Infinit

Uma marca local de óculos muito bacanas. Modelos de preços variados, mas acessíveis e shapes bem diferentes do que estamos acostumados a encontrar por aqui.Thames, 1.602.

Seco Rain Wear

Galocha estampada não é novidade para ninguém, mas para homem você já viu vender por aqui? E xadrez? Pois é, nesta loja você encontra toda a numeração para homens, capas de chuvas muito charmosas, além de uma infinidade de modelos femininos como já era de se esperar. Ótima pedida para este tempinho inconstante de BH. Armênia,1646.

Restô Happening

Não se deixe levar pelos restaurantes “pega-turistas” de Puerto Madero. O Happening oferece o melhor custo-benefício na hora de pedir aquela carne suculenta que só os argentinos sabem preparar. E você ainda vai se surpreender com a conta. Aproveite e vá tomar um sorvete na Freddo que tem em frente. Av. Alicia Moreau De Justo, 310.

Restô Natural Deli

Uma das melhores descobertas da viagem. Este restaurante no Recoleta oferece ao mesmo tempo um cardápio fantástico de comidinhas naturais e um mercado só de produtos orgânicos e coisinhas para a casa. Peça o prato wok e o alfajor da casa que são de comer de joelhos. Laprida, 1672.

Livraria El Ateneo Grand Slendid

O The Guardian Britânico considerou essa uma das livrarias mais bonitas do mundo. Uma construção incrível de cair o queixo datada de 1919 que já abrigou um teatro e cinema, hoje oferece títulos diversos da literatura internacional, além de apresentações de música. Av. Santa Fe, 1860.

Galeria San Telmo

Visite a Feira de San Telmo, mas antes preste atenção em uma galeria que abriga lojinhas de antiguidades e badulaques com pátios internos que parecem congelados no tempo. Garimpe nas tendas de óculos usados, pois é possível encontrar armações de grifes como o Balenciaga que eu trouxe para casa por 80 pesos. Passaje de La Defensa.

Calma que esta amizade ainda não terminou. Muitas histórias e dicas ainda precisam selar esta união porque motivos não faltam para um happy ending, ou melhor, happy hour!

Por Sérgio Souto
.
.
.
Sérgio Souto é sócio-fundador do CoolHow Creative Lab. A fim de fazer valer o manifesto de transformar BH na cidade mais cool do Brasil, vive ligado no que acontece de mais interessante por aí, sempre torcendo para presenciar ao vivo cada novidade.