TIRADENTES MG -  MOSTRA TIRADENTES  Cine Praça - Foto Leo LaraUniverso Produção

Evento abre a temporada audiovisual brasileira, em 19 de janeiro, com a pré-estreia de “Café com Canela”, que tem participação do artista no elenco, no Cine-Tenda; Mostra vai até 27 de janeiro, com programação gratuita

A busca pela legitimação na realidade aparece constantemente nos filmes brasileiros recentes e, em alguns casos, tornou-se elemento essencial para a feitura de diversas produções. Biografias, documentários de arquivo, referências à política e a acontecimentos de conhecimento público, reencenações e reconstituições, informações transmitidas pela imagem: por uma série de procedimentos, o cinema vem operando com elementos verídicos das mais distintas formas. Essa variedade de estilos e as consequências dessas escolhas na recepção crítica aos filmes é o que vai pautar a temática “Chamado Realista”, eixo central das discussões da 21a Mostra de Cinema de Tiradentes.

O primeiro grande evento do ano dedicado ao cinema brasileiro acontece na cidade histórica mineira entre os dias 19 e 27 de janeiro de 2018 e promete reunir centenas de espectadores, jornalistas, críticos, pesquisadores e professores para acompanhar a vasta programação de filmes, seminários, encontros e debates. Definido pela dupla de curadores Cleber Eduardo e Lila Foster, a temática pretende reverberar algumas conversas já iniciadas na edição 2017 da mostra. “O que estamos intitulando de ‘Chamado Realista’ é a presença de uma matriz ou de uma questão num filme em que, independente do estilo, utiliza informações e materiais da contemporaneidade, ou eventualmente da história brasileira, para sua realização”, destaca Cleber. “Isso pode acontecer numa ficção de gênero, como terror ou sci-fi, até em documentários históricos e observacionais, além de aparecer em filmes mais naturalistas, que buscam na realidade um certo subtexto de legitimação”.

Cleber tem percebido uma atenção cada vez maior, de parcela significativa dos espectadores, para que os filmes se conectem a elementos da realidade, em especial com as recentes crises políticas e sociais no Brasil e às crescentes discussões sobre representatividade e minorias. “Muitos olhares em torno dos filmes vêm se pautando pela justeza do que é visto em relação à realidade. Há uma cobrança de que as produções demonstrem vínculos com a vida e se comportem em reação às questões contemporâneas”.

Para Lila Foster, o Chamado Realista a ser tematizado na Mostra não guarda apenas características tradicionais do realismo mais reconhecido na história do cinema (com sua busca de um certo apagamento das mediações de linguagem e da representação de um olhar sobre algum aspecto da vida social), e sim o contrário. “O contemporâneo parece apontar para novas buscas estéticas de contato com o real, principalmente numa representação que traz na sua forma e estilo o desejo de uma dramaturgia – no caso da ficção, calcado no lastro da experiência de mulheres e homens”, diz a curadora. “O trabalho para chegar até essa experiência realista inclui muitas vezes métodos e perspectivas diretoriais que retiram o texto dos atores de suas vidas reais, uma combinação entre ficção e fatos da vida que se reflete no perfil naturalista de muita das atuações contemporâneas”.

No caso dos documentários, Lila destaca que “o lastro da experiência realista é muitas vezes alcançado pela observação insistente e atenta, um artifício que às vezes se vale de uma matização dos discursos prévios sobre o que se retrata, um silenciamento que somente engana, pois o gesto de ‘somente observar’ traz mais potência para a expressão do mundo social vivido”. Cleber completa: “procuramos focar e ampliar a discussão sobre as relações intercambiáveis entre cinema e vida, que em muitos filmes, peças, performances e exposições têm pressionado produtores e criadores a pensar suas estéticas a partir da vida social, de maneira menos ou mais direta, menos ou mais simbolizada”.

babu-santana-mostra-tiradentes

Homenagem
Dialogando com a temática, a homenagem da 21a Mostra de Cinema de Tiradentes será ao ator Babu Santana. A força de sua presença e talento poderão ser conferidos já no filme de abertura, a produção baiana Café com Canela, da dupla Ary Rosa e Glenda Nicácio, a ser exibido na noite de 19 de janeiro. Babu interpreta o dentista de uma cidade do interior, num personagem bastante diferente daqueles que o tornaram conhecido a quem acompanha o cinema brasileiro nos últimos 15 anos.

A primeira aparição de Babu nas telas se deu no filme-fenômeno Cidade de Deus (2002), mas foi com Uma Onda no Ar (2002) e As Alegres Comadres (2003) que ele passou a chamar atenção. Diversos títulos se seguiram, como O Homem do Ano (2003), Quase Dois Irmãos (2004) e Estômago (2007), entre vários outros. Em 2014, Babu engordou 15kg para encarnar o cantor Tim Maia na cinebiografia homônima. “Babu foi um Tim empenhado em parecer Tim, visualmente e na performance, procurando o realismo de sua imagem, o acordo entre cinema e a vida motivadora do filme”, comenta o curador Cleber Eduardo.

A escolha por Babu Santana se deve especialmente pela trajetória singular do ator, nascido em dezembro de 1981 no Rio de Janeiro. Na maior parte dos filmes nos quais atuou, Babu fez personagens de vivências marginais ou policiais enfezados. “Quase toda sua filmografia lida com narrativas situadas em ambientes em atrito e de risco, com marcas de desigualdade social brasileira. Parte significativa de seus personagens é dura e de empenho realista”, afirma Lila Foster. Além de Café com Canela na abertura da Mostra, a homenagem inclui a exibição de outros dois longas-metragens durante a programação: Uma Onda no Ar, de Helvécio Ratton, e o inédito Bandeira de Retalhos, de Sérgio Ricardo, e ainda, uma mesa de debate com foco na trajetória pessoal e artística de Babu.

TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO.

Acompanhe a 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes e o programa Cinema Sem Fronteiras 2018.
Na Web: mostratiradentes.com.br No Twitter: @universoprod
No Facebook: universoproducao / mostratiradentes
No Instagram: @universoproducao
Informações pelo telefone: (31) 3282-2366


Gosto-Se-Discute-Divulgacao
O cinema brasileiro está em alta. Seja no nosso país, seja no exterior. A comédia nacional é uma das grandes responsáveis por atrair os brasileiros para o cinema na atualidade. É notória a mudança na comédia atual. Esta reciclada tem levantado a moral do gênero em todos os meios de comunicação.
Dia 09/11 estreia a comédia “Gosto Se Discute?”, com roteiro e direção de André Pellenz (Minha Mãe É Uma Peça), e, no elenco principal Kéfera Buchmann e Cássio Gabus Mendes. Paulo Miklos, Gabriel Godoy, Robson Nunes encabeçam o grande elenco.
A atriz e youtuber Kéfera (uma das principais youtubers que arrasta em suas aventuras milhões de fãs e admiradores) interpreta a personagem Cristina. A personagem tem a missão de gerir um restaurante juntamente com Augusto (Cássio Gabus) que está com seus dias contados como dono do empreendimento devido à pouca clientela.
O filme acerta ao misturar drama e um conteúdo de sequências e imagens de gastronomia. Palmas para a direção e edição do filme. Em contrapartida, o filme lida com um roteiro muito fraco. Previsível, o roteiro peca por apresentar uma comédia boba, imperceptível e com baixa intensidade. Somos salvos pelo drama.
Cássio Gabus é o grande destaque do filme. No entanto, a Kéfera se mostrou mais madura e preparada nesta obra em relação aos seus outros filmes. Motivo pelo qual ela alcança o título de destaque. As melhores partes da comédia ficaram a cargo dos atores coadjuvantes. Todos usaram perfeitamente o espaço que lhes foi dado. Dali saem os melhores momentos cômicos.
Então, não deixem de conferir nos cinemas o filme “Gosto se Discute?” Vale a pena. E como a Kéfera nos disse: vamos valorizar o cinema brasileiro.
Kéfera bateu um papo conosco. Falou de um assunto que devemos discutir.


entreirmas1

*Por Fabrício Horta

Há riqueza nas histórias brasileiras, e estas devem sempre ser contadas pelo nosso cinema. Dentre as histórias que aguçam a curiosidade do espectador está a do cangaço, um faroeste nordestino cheio de reviravoltas e fatos inusitados. Quando Breno Silveira, diretor do filme Entre Irmãs, que estréia hoje nos cinemas, se propõe a contar a história de Emilia (Marjorie Estiano) e Luzia (Nanda Costa), uma adaptação do livro A Costureira e o Cangaceiro, de Frances de Pontes Pleebes, somos presenteados com a mitologia do sertão na forma destes justiceiros, os verdadeiros Robin Hoods do Sertão.

Neste cenário, de muita pobreza e do coronelismo no nordeste brasileiro dos anos de 1930, começa a trajetória das duas irmãs. Órfãs, criadas pela tia numa cidade mergulhada na seca, elas fazem seus planos para um futuro, mesmo que ninguém acredite que elas possam realizá-los. A tia desde cedo lhes ensina um ofício, o de ser costureira, e este ofício une as irmãs em suas jornadas.

O filme seria incrível se não fossem as mais de duas horas e meia de história. A linha de costura que unem as duas irmãs se perde em tantas alegorias, histórias secundárias e uma falta de edição de cenas. Fica evidente que se tem muita história a se contar, talvez uma minissérie coubesse melhor para Entre Irmãs. Quando chega o grande clímax do filme já estamos doidos para sairmos da sala de cinema. Realmente uma pena.

Mas há momentos primorosos no filme. A fotografia certeira é uma delas. Os tons de terras para os momentos de Luzia e seu bando no sertão pernambucano em total contraste com os tons mornos, calmos de Emilia na sociedade recifense. Tais contrastes nas cores das vidas que ambas decidiram viver não conseguem maquiar ou iludir o que tinham entre elas: uma ligação além das escolhas. Mesmo por caminhos tortuosos e diferentes, ambas as irmãs fizeram o mesmo trajeto.

Emília e Luzia escolheram qual tipo de passarinho queriam ser: o livre ou o que vive na gaiola. Assim como a prisão, a liberdade tem seu preço. Ambas as escolhas tem dores e alegrias. Há crescimento e amor em meio ao sertão, como também há dor e tristeza na liberdade enclausurada de uma vida de princesa. Nem sempre o príncipe encantado estará aonde imaginamos. Vale conferir.


filmechocante

“Choque choque choque de amor, me dá um choque de amor…” Olha, tem uma semana que nós do Ameixa só ouvimos, cantamos e dançamos Choque de Amor, o maior sucesso da banda Chocante. Estamos falando grego? Gente, Chocante, a maior boyband brasileira de todos os tempos! Ainda assim, nada? Então vá ao cinema mais próximo para conferir o filme Chocante. Ninguém pediu, mas eles voltaram!

Criado a partir da idéia original de Pedro Neschling, com roteiro assinado por Bruno Mazzeo, Neschling, Luciana Fregolente e Rosana Ferrão, com direção de Johnny Araújo e Gustavo Bonafé, Chocante conta a história do reencontro de Téo (Bruno Mazzeo), Tim (Lúcio Mauro Filho), Clay (Marcus Majella) e Toni (Bruno Garcia), integrantes da boyband sucesso no começo dos anos 90 e que teve um fim inesperado deixando os fãs, principalmente Quézia (Debora Lamm), presidente do fã clube, inconformados. O retorno estrondoso inclui um novo integrante, Rod (Pedro Neschling) sob o comando do empresário Midas, Lessa (Tony Ramos, numa participação pra lá de inspirada).

A partir daí o filme faz uma sátira bem humorada do que foi a juventude brasileira no final dos anos 80, início dos 90, quando essa foi bombardeada dia sim e outro também por boybands com cantores pra lá de duvidosos que enlouqueciam as adolescentes e enriqueciam os cofres dos programas de auditório. E também com os jovens de hoje, as novas formas de interagir com os ídolos, realities shows decadentes e por aí vai. O único ponto em comum entre as gerações é que ainda para a grande maioria dos artistas falta talento, mas compensam no carisma.

O roteiro faz uma ponte inteligente sobre a geração que curtia os meninos da Chocante e a nova geração que nunca ouviu falar (exceto por algum pai saudosista). Os ‘feras das antigas’, como diria Rod, hoje vivem totalmente afastados dos holofotes. Com empregos frustrados, filhos para criarem e totalmente aéreos no que se referem às novas tecnologias, o retorno da banda pode ser um momento da redescoberta da amizade, fechar feridas e, claro, muita diversão. “Na verdade a gente sempre quis falar de amizade, de encontros, de acertar as contas com a vida. E tem também a questão da família. Fomos entendendo o que não era Chocante e fomos tirando”, explica Bruno Mazzeo.

A reconstituição de época também é um ponto alto do filme. As cenas da banda na juventude participando de programas de auditórios, camarins, quartos de hotéis dão o clima perfeito que o filme busca entre nostalgia e cafonice. Assim como a captação de imagens daquela época, que junto com o figurino de ‘palco’ da banda e a indumentária de Quézia mesmo nos dias atuais nos fazem lembrar que certas coisas devem permanecer no passado.

Chocante é um filme para se divertir e rir muito. Para os marmanjos, como nós do Ameixa, que vivemos com muita propriedade a invasão das boysbands nos anos 80 e 90, cada piadinha interna do filme era motivo para gargalhadas. Ativamos a memória e voltamos no tempo das horas dançantes, do Chacrinha, do Programa do Gugu, lembramos de amigos que nunca mais vimos e de  outros que insistem em apagar esses anos da história, bobos!

A mensagem de Chocante é que nenhuma geração foi tão cafona e tão divertida como a oitentista! Para entrarmos ainda mais no clima, criamos no Spotify uma playlist Top 10 boybands chocantes incluindo o sucesso Choque de Amor, para vocês também ficarem com esse chiclete martelando na cabeça.


 

uma_mulher_fantastica3

*Por: Maria Inácia Nascimento

Estréia, no próximo dia 7,“Uma Mulher Fantástica”, de Sebastian Lelio (Gloria/2013). O longa chileno (1h44) já aterrissa em solo brasileiro com dois prêmios conquistados em Berlim – Teddy Award, de melhor filme LGBT e o Urso de Prata, para melhor roteiro. O filme conta a saga de uma mulher transexual que para se despedir de seu companheiro que sofre uma morte súbita, encontra os entraves diante de uma sociedade que ainda não aceita as diversidades.

A narrativa de Uma Mulher Fantástica começa um pouco lenta, demora a prender o expectador. Sua trilha também não traz nada muito especial – exceto pelas cenas em que a personagem principal Marina Vidal (Daniela Veja) nos encanta com seu timbre lírico. Sua primeira aparição na telona ainda é tímida e discreta, cantando em um bar. Mas, será no decorrer das cenas e das situações em que vive diariamente, que sua garra, coragem e determinação se destacam e conquistam.

Marina  é uma garçonete e aspirante a cantora. Tem poucos amigos e um relacionamento sério com Orlando (Francisco Reyes). Depois de comemorarem o aniversário dela e planejarem uma viagem romântica juntos, o namorado sofre um aneurisma e morre no hospital. A partir deste dia, a vida de Marina é completamente abalada. Ela sofre humilhações e precisa lidar com o ódio e as desconfianças da família de Orlando, da polícia e até dos médicos que o atenderam naquela noite.

As cenas são chocantes e revoltantes como, por exemplo, quando o filho do namorado a pressiona para saber se ela realizou a cirurgia de mudança de sexo. Ou quando o médico não sabe como a chama e pergunta se Marina seria apenas um apelido. Na delegacia, ela passa por uma constrangedora revista. E, ainda, vive embates com a ex-esposa de Orlando, que a denomina aberração e quimera.

uma_mulher_fantastica4

A atriz transexual Daniela Vega interpreta com dignidade e segurança. De maneira linear, ela nos surpreende positivamente nos momentos mais complexos e que requerem maior frieza. Lelio, por sua vez, conduz o tema de maneira delicada, criando diálogos intensos e sufocantes.

Fica difícil engolir a realidade agressiva vivida por tantas Marinas. Dentre as cenas fortes de humilhações e perseguições, o filme deixa a mensagem de perseverança e resiliência incansáveis dos transexuais. A sensação, ao sair da sala de cinema, é a de que precisamos falar sobre Marina.

Um pouco mais de:
Sebastián Lelio: Gloria (2013); La Sagrada Familia (2005).
Daniela Vega: La Visita (2014).
Temas Relacionados: Tomboy (2011); Transamérica (2004); Clube de Compras Dallas (2013).