curta-circuito

 

A Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito abre a programação de 2017 com várias novidades! Estreando a nova curadoria do Clássicos BR, assinada pela crítica Andrea Ormond, o Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente traz para a temporada 2017, com o tema País Tropical, clássicos da pornochanchada, gênero cinematográfico rejeitado pela crítica especializada, mas bastante popular entre o público nas décadas de 1970 e início de 1980. Durante o ano, a Mostra irá homenagear três grandes representantes desse fértil período do cinema nacional, em cada um dos três bimestres da programação. Ao final de cada bimestre, será oferecida ainda uma MasterClass gratuita, ministrada pelo próprio homenageado. O primeiro escolhido, para as sessões dos meses de março e abril, é o ator, diretor, produtor e documentarista Carlo Mossy, conhecido como o Rei da Pornochanchada.

O Ridículo, curta- metragem inédito dirigido por Mossy, inicia a programação 2017, na sessão de abertura que conta ainda com a exibição do longa Giselle (1980), dirigido por Victor di Mello e protagonizado e produzido por Mossy. Sucesso na época de seu lançamento, levando mais de dois milhões de espectadores aos cinemas, Giselle, tem também no elenco a atriz Monique Lafond, que participará de um bate-papo com o público após a exibição dos filmes. A sessão acontece no dia 20 de março, segunda-feira, a partir das 20h, no Cine Humberto Mauro, em Belo Horizonte.  A entrada é gratuita mediante a retirada de ingresso 30 minutos antes da sessão.

O Ridículo l Carlo Mossy, RJ, 2016, 9′

Homem sessentão tem problemas com sua disfunção erétil, e se martiriza por isso, encontrando numa garota de programa, talvez, a solução.

Giselle |Victor di Mello, RJ, 1980, 96’

Giselle, filha adolescente de um fazendeiro rico, possui um comportamento liberal e promíscuo, tendo casos com a madrasta Haydée, com a amiga Susana e com Ângelo, capataz da fazenda de seu pai. Um triângulo amoroso surge com a chegada de Serginho, filho de Haydée, ao mesmo tempo em que são revelados segredos de cada membro da família.

Pelo interior

Em 2017, a Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito volta a ter sessões no interior do estado. No dia 24 de março é a vez da cidade de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, receber a primeira sessão do Curta Circuito 2017, especial Carlo Mossy.  Às 19h, no Centro Cultural Luz da Lua – Rua Dom Serafim, n° 426, Centro. Já no dia 25, a Mostra vai para Montes Claros, com sessão também às 19h, no Cinema Comentado – Centro Cultural – Praça Dr. Chaves, 32 – Centro.

Sobre Carlo Mossy

Filho de imigrantes judeus poloneses, Carlo Mossy nasceu em Tel Aviv e veio para o Brasil com apenas dois anos de idade. Atualmente com 70, ele já produziu, dirigiu e atuou em dezenas de filmes, em  50 anos de carreira completados em 2016. De acordo com a curadora do Curta Circuito, Andrea Ormond, “ele merece mais do que ninguém o título de “Rei do Cinema Popular; tem 50 anos de trajetória e ainda é capaz de se mostrar incômodo e inovador, sempre dialogando com o grande público nos diversos gêneros por onde transita sem dificuldades”. Mossy continua na ativa e se reinventado. Lançou no ano passado o documentário “Garota de Ipanema – O Bar da Bossa”, e ainda faz aparições, como as recentes em Malhação e no seriado da HBO, Magnífica 70.

O Especial Carlo Mossy traz quatro longas-metragens e quatro curtas-metragens inéditos que são um resumo da trajetória do artista, além da MasterClass – O Rei do Cinema Popular, que será ministrada por ele no dia 25 de abril, oportunidade única de conhecer os bastidores de suas produções. As inscrições para a MasterClass poderão ser feitas a partir de 20 de março no site oficial da mostra.

Até o fim do ano, outros dois  importantes nomes do cinema brasileiro também serão homenageados pelo Curta Circuito: o diretor e roteirista  Alfredo Sternheim (maio/junho) e o cineasta Afrânio Vital (julho/agosto) .

 

Sobre o Curta Circuito

Durante sua trajetória, iniciada em 2001, a Mostra de Cinema Permanente, que exibe exclusivamente filmes nacionais, sempre com entrada franca, conseguiu reunir um público de mais de 70 mil pessoas, que estiveram presentes em quase cinco mil sessões. A mostra, dirigida desde 2016 por Daniela Fernandes, da Le Petit Comunicação Visual e Editorial, é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos. Tendo já atuado em 18 cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pará, a mostra atualmente está presente em Belo Horizonte, onde tem como “sede” de suas exibições o Cine Humberto Mauro, e comemora a volta para os município mineiros de Montes Claros e Araçuaí. Já passaram pelo projeto convidados como Nelson Pereira dos Santos, Zé do Caixão, Sidney Magal, Othon Bastos, Antônio Pitanga, Nelson Xavier, Darlene Glória entre outros. O Curta Circuito atua também na preservação e memória do cinema brasileiro, trabalhando na restauração de filmes, em parceria com a Cinemateca do MAM-RJ. A iniciativa recebeu Mention do D’Hounner em Milão, em 2013, pela restauração do filme “Tostão, a fera de Ouro”, da década de 1970.

 CurtaCircuito_03_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

CurtaCircuito_04_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

 

CurtaCircuito_2017_Crédito_Val+WanderFotografias

 

Equipe Curta Circuito em clima tropical – Em pé: Claudio Constantino (Produtor Executivo), Vitor Testa (TAGTST – Vinheta), Alex Queiroz(Editor), Vinicius Correia (Produtor)/ Sentados: Wander Faria (Valwander Fotografias – Registro Fotográfico), Naraiana Peret (Designer), Daniela Fernandes(Diretora) e Rafaella Queiroz (Libretto – Mimos do presskit)


Nesta edição, os filmes selecionados abordam a oposição de um ambiente conservador e a busca por liberdade individual.

curta-circuito-bh

Hoje (18) o público confere O Puritano da Rua Augusta, comédia de Amácio Mazzaropi. A sessão será comentada pelo crítico Fábio Feldman. E, no dia 25, será exibido A Viúva Virgem, de Pedro Carlos Rovai.

As exibições acontecem sempre nas segunda-feiras, às 20h, com entrada gratuita e retirada de ingressos meia hora antes do início dos filmes.

SERVIÇO
18/07 SEG

20h CURTA CIRCUITO | O Puritano da Rua Augusta, de Amácio Mazzaropi (SP, 1965) | Exibição em digital | Livre | 95’

Industrial puritano e conservador critica os hábitos modernos de seus filhos, fãs de rock’n’roll, e a rotina da esposa, uma madame que passa os dias entre encontros fúteis e chás beneficentes. Porta-voz dos bons costumes, ele adere a uma liga moralizante, mas, por conta dos conflitos com os parentes, adoece e vai parar num asilo. Tempos depois, já curado e disposto a se vingar, ele coloca em ação um plano de “modernização” pessoal para lidar com a esposa e os filhos.

Bate-papo após a sessão com o crítico Fábio Feldman
25/07 SEG

20h CURTA CIRCUITO | A Viúva Virgem, de Pedro Carlos Rovai (RJ, 1972) | Exibição em 16mm | 18 anos | 100’

Cristina fica viúva na noite de núpcias. Abalada, vai para o Rio e fica no apartamento que herdou do marido. Lá, o malandro Constantino passa a cortejá-la e o fantasma do esposo aparece e a impede de perder a virgindade.

Bate-papo após a sessão.

EVENTO
Curta Circuito

DATA
De 18 de Julho, Segunda a 25 de Julho, Segunda

HORÁRIO
20h

LOCAL
Cine Humberto Mauro

INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO
3236-7400


bf8452a0-cc90-4b97-8186-9aabe76b2d5f

 

No ano em que comemora 15 anos de história, a Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito fecha a programação do primeiro bimestre com duas sessões para lá de especiais. A primeira acontece na próxima segunda-feira, dia 25 de abril, às 20h, como de costume, no Cine Humberto Mauro onde será exibido o documentário Moscou (Eduardo Coutinho, 2009), seguido de bate-papo com os atores Chico Pelúcio e Inês Peixoto, integrantes do Grupo Galpão. A segunda sessão, que acontece pela primeira vez na Benfeitoria, mistura cinema e música, com apresentação da banda Djalma Não Entende de Política e exibição do filme O Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano (Henrique Dantas, 2009), na quarta-feira, dia 27 de abril, a partir das 19h. Tudo, como sempre, com entrada franca.

Dando continuidade a temática Cinema e Teatro, trabalhada nas primeiras sessões de 2016, o Curta Circuito apresenta Moscou, documentário dirigido pelo grande cineasta Eduardo Coutinho, falecido em 2014. O filme registra três semanas de ensaio do Grupo Galpão durante a montagem da peça “As Três Irmãs”, de Anton Tchekhov, que premeditadamente nunca chegaria aos palcos. Lançado em 2009 em meio à várias polêmicas, Moscou transborda as barreiras do documentário e leva o diálogo entre o real e o fictício para um novo patamar. (Leia mais sobre o filme no texto anexo do crítico de cinema Francis Vogner).

d7d14124-87f8-4132-82e7-0039d2455a6c

Moscou |Eduardo Coutinho, RJ, 2009, 78’
Em Belo Horizonte, o Grupo Galpão e o diretor de teatro Enrique Diaz se dispuseram a enfrentar o desafio de “montar”, em três semanas, a peça “As Três Irmãs”, de Anton Tchekcov. O filme é composto de fragmentos dos workshops, improvisações e ensaios de uma peça que não teve e nem terá estreia.

Sessões na Benfeitoria_ Recordar é Viver
Dentro das comemorações de aniversário da mostra, que não poderia passar batido, o Curta Circuito fará sessões especiais na Benfeitoria com o tema: Recordar é viver. A ideia é trazer de volta alguns dos filmes que passaram pela programação durante esses 15 anos de trajetória. O primeiro escolhido é Filhos de João, o admirável mundo novo baiano, que retrata a história dos Novos Baianos e a relação de Pepeu Gomes, Moraes Moreira e o resto do grupo (exceto Baby do Brasil que não autorizou a exibição de seu depoimento) com o músico João Gilberto. O documentário, dirigido por Henrique Dantas, levou o Prêmio Especial do Júri e Prêmio do Júri Popular no Festival de Brasília. O filme será exibido às 20h (o local abre às 19h), seguido da apresentação da banda Djalma não Entende de Política, em formação especial, tocando apenas Novos Baianos. A entrada é gratuita. O convite é para o público entrar no clima da Tropicália e ir à caráter. A melhor caracterização de Novos Baianos vai ganhar brindes do Curta Circuito e um shot especial da Benfeitoria.

 

novos-baianos-curta-circuito
Filhos de João, o admirável mundo novo baiano| Henrique Dantas, RJ, 2009, 75′
Um panorama da música popular brasileira dos anos 60 e 70 através do grupo musical Novos Baianos, que marcaram a música popular brasileira utilizando-se de vários ritmos musicais que vão de bossa nova, frevo, baião, choro, afoxé ao rock n’ roll. Uma retrospectiva do estilo de vida comunitário adotado por seus integrantes e a influência sofrida pelo grupo do cantor João Gilberto.

Sobre o Curta Circuito – Cinema de Afeto
Com o tema Cinema de Afeto, o Curta Circuito completando 15 anos de atividade em 2016 e tem muito o que comemorar. Durante sua trajetória, a Mostra de Cinema Permanente, que exibe exclusivamente filmes nacionais, sempre com entrada franca, conseguiu reunir um público de mais de 70 mil pessoas, que estiveram presentes em quase cinco mil sessões. A mostra, que a partir deste ano é dirigida por Daniela Fernandes, da Le Petit Comunicação Visual e Editorial, é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos. Tendo já atuado em 18 cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pará, a mostra hoje foca no público belo-horizontino e tem como “sede” de suas exibições o Cine Humberto Mauro. Já passaram pelo projeto convidados como Nelson Pereira dos Santos, Zé do Caixão, Sidney Magal, Othon Bastos, Antônio Pitanga, entre outros. O Curta Circuito atua também na preservação e memória do cinema brasileiro, trabalhando no restauro de filmes, em parceria com a Cinemateca do MAM RJ. A iniciativa recebeu Mention do D’Hounner em Milão, em 2013, pela restauração do filme “Tostão, a fera de Ouro”, da década de 1970.

 

Filme | Moscou + bate-papo com Chico Pelúcio e Inês Peixoto
Data | 25 de abril (segunda-feira)
Local | Cine Humberto Mauro | Palácio das Artes
Horário|20h
Entrada gratuita_ Sujeito a lotação do espaço
Classificação Indicativa| 16 anos
Capacidade da Sala | 129 lugares (ingressos poderão ser retirados meia hora antes da sessão)

Filme | O Admirável Mundo Novo Baiano + Djalma não entende de política
Data | 27 de abril (quarta-feira)
Local | Benfeitoria _ Rua Sapucaí, 153
Horário|19h (abertura do local)
Entrada gratuita_Sujeito a lotação do espaço
Capacidade | 130 pessoas


Convite

Iniciando as exibições do ano, a Mostra de Cinema Permanente Curta Circuito apresenta, durante o primeiro bimestre da programação de 2016, filmes brasileiros que estabeleceram pontos de conexão entre cinema e teatro. A primeira sessão acontece no dia 21 de março (segunda-feira), como de costume, no Cine Humberto Mauro, agora em novo horário às 20h, trazendo o longa “Toda Nudez será castigada” (1973), ganhador do Urso de Prata, em Berlim. O filme é uma adaptação da peça de Nelson Rodrigues, levada com sucesso para o cinema pelo diretor Arnaldo Jabor. Após a exibição, haverá um bate-papo com a musa do cinema nacional dos anos 1960 e 1970, Darlene Glória – que interpreta a personagem Geni- e com a pesquisadora e crítica cinematográfica, Andrea Ormond, autora do blog Estranho Encontro.

Completando 15 anos de atividade, o Curta Circuito tem muito o que comemorar. Durante sua trajetória, a Mostra de Cinema Permanente, que exibe exclusivamente filmes nacionais, sempre com entrada franca, conseguiu reunir um público de mais de 70 mil pessoas, que estiveram presentes em quase cinco mil sessões. Em 2016, a mostra traz novidades, começando pela direção, que sai das mãos de Cláudio Constantino e vai para a batuta de Daniela Fernandes, antiga coordenadora de programação do projeto e idealizadora da Le Petit Comunicação Visual e Editorial. A equipe também mudou e passa a ser predominantemente feminina, o que dialoga bem com o tema proposto para este ano: Cinema de Afeto.

Toda a programação será permeada pela relação emocional provocada pelo cinema, seja pela construção de memória ou associação afetiva, tendo como guia o olhar feminino. A temática tomou conta de todos os aspectos da mostra, que conta com novos parceiros, como a ilustradora Anna Cunha – que desenhou os personagens presentes no material gráfico – e a produtora de vídeo Par Filmes, responsável pela nova vinheta. Também como parte das novidades das comemorações dos 15 anos, o Curta Circuito irá reexibir filmes que marcaram a história da mostra, com sessões pontuais que acontecerão pela primeira vez na Benfeitoria. Ainda dentro das ações comemorativas, a projeto irá confeccionar produtos inspirados no cinema brasileiro que estarão à venda, em breve, na loja colaborativa da Mooca.

Sobre o Curta Circuito
O Curta Circuito é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos. Tendo já atuado em 18 cidades de Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pará, a mostra hoje foca no público belo-horizontino e tem como “sede” de suas exibições o Cine Humberto Mauro. Já passaram pelo projeto convidados como Nelson Pereira dos Santos, Zé do Caixão, Sidney Magal, Othon Bastos, Antônio Pitanga, entre outros.

A mostra atua também na preservação e memória do cinema brasileiro, trabalhando no restauro de filmes, em parceria com a Cinemateca do MAM RJ. A iniciativa recebeu Mention do D’Hounner em Milão, em 2013, pela restauração do filme “Tostão, a fera de Ouro”, da década de 1970.

Toda Nudez será castigada | Arnaldo Jabor, RJ, 1972, 107’
Fonte da Cópia: Cinemateca Brasileira. Classificação: 18 anos
Exibição em 35mm

Enquanto sua esposa agoniza, pai de família promete ao filho que nunca mais terá outra mulher. Seu irmão, no entanto, que vive às suas custas, o apresenta a uma bela prostituta e os dois apaixonam-se. Uma das mais brilhantes adaptações da obra de Nelson Rodrigues para o cinema. Arnaldo Jabor revigora o melodrama e coloca sob um novo cenário – o ambiente familiar da burguesia carioca – questões fundamentais para o Cinema Novo nos anos 1970. Contando com interpretação primorosa da atriz Darlene Glória, o filme recebeu o Urso de Prata no Festival de Berlim de 1973.

 

Próximas sessões | 1º Bimestre | Cinema + Teatro
28.03
Alma no Olho l Zózimo Bulbul, RJ, 1974, 11’
Compasso de Espera l Antunes Filho, SP, 1969-1973, 98’
11.04
Navalha na Carne l Braz Chediak, RJ, 1969, 90’
25.04
Moscou |Eduardo Coutinho, RJ, 2009, 78’

 

Serviço:
Filme | Toda nudez será castigada
Bate-papo| Darlene Glória (atriz) + Andrea Ormond (crítica cinematográfica)
Data | 21 de março (segunda-feira)
Local | Cine Humberto Mauro | Palácio das Artes
Horário|20h
Entrada gratuita – Sujeito a lotação do espaço
Classificação Indicativa| 18 anos
Capacidade da Sala | 129 lugares (ingressos poderão ser retirados meia hora antes da sessão)


d0b51785-46e8-4d37-8585-53f21c9e09dc

Nem só de bolo e valsa se faz uma festa de debutante. A Mostra Permanente de Cinema Curta Circuito completa 15 anos em 2016 e prepara várias surpresas. Começando pela direção, que agora é assinada por Daniela Fernandes, da Le Petit Comunicação Visual e Editorial. O resto da equipe também está de cara nova e é composta predominantemente por mulheres.

Destaque para os novos parceiros, como a ilustradora Anna Cunha, que desenhou personagens especialmente para a mostra, representando a memória emotiva e o cinema de afeto, tema deste ano. As ilustrações ganharam vida com a ajuda de modelos – caracterizadas como os personagens – e do figurino, cópia fiel dos desenhos, criado pela estilista Amanda Monteiro. A make ficou por conta da super maquiadora Andrea Alencar.

O resultado estará na vinheta da mostra, que foi filmada Casa Ateliê, pela produtora de vídeo Par Filmes em parceria com a Val Wander Fotografias. A primeira sessão do Curta Circuito 2016 é no dia 21 de março.

Untitled design (31)

Sobre a Mostra

O Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente completa 15 anos de exibições este ano e é uma das referências em Minas e no Brasil como ação de formação qualificada de público, espaço de reflexão, debates sobre a cultura audiovisual e todos os aspectos que a envolvem, sejam técnicos, narrativos, estéticos, culturais e políticos.

Procuramos garantir a exibição regular de filmes exclusivamente brasileiros, de qualquer ano, sempre com entrada franca, resgatando obras importantes da filmografia brasileira em Belo Horizonte.

Nossa “casa”, o Cine Humberto Mauro, é hoje uma das melhores salas de projeção de BH, atuando com exibições nos formatos de 35 mm, 16mm, digital e DCP. São 129 lugares de um charmoso cinema de arte situado no principal complexo cultural da cidade e atualmente único cinema que exibe em película na cidade.

Além das exibições, o Curta Circuito se preocupa com a memória e preservação do cinema brasileiro. Dessa forma, há alguns anos começamos um trabalho em parceria com a Cinemateca do MAM RJ de restauro de filmes que estavam se perdendo (ganhamos Mention do D’Hounner em Milão em 2013 pela restauração do filme Tostao a fera de Ouro da decada de 70). Fizemos copias de difusão das obras de Aloysio Raulino, Joao Batista de Andrade e Leon Hirszman. Publicamos livretos com informações dos filmes exibidos, críticas, fotos e cartazes, num intuito de formar um material para consulta e acervo. Além das cópias físicas, possuímos as digitais em nosso site e você pode conferir acessando: www.curtacircuito.com.br/publicacoes

 

Por Bárbara Prado, amiga do Ameixa e integrante da equipe Curta Circuito. Babee, o Ameixa está sempre aberto para você trazer novidades desse projeto tão bacana! <3